Gruta do Lago Azul

Chegamos em Campo Grande em plena segunda feira por volta do horário do almoço, alugamos um carro e fomos caçar alguma coisa pra comer na capital. O Guia 4 Rodas mencionava que no mercado municipal de Campo Grande era possível encontrar excelentes sopas paraguaias e chipas. Achei que seria uma boa oportunidade de “introduzir” meu namorado na cultura local, antes da viagem a Bonito…

A visita ao mercado foi um programa melhor do que qualquer restaurante poderia ter sido! Foi cômico, o moço parecia uma criança deslumbrada. Ele nunca tinha visto nada igual, pra ele era tudo muito exótico… A todo instante apontava alguma coisa com curiosidade e, euzinha, no meio da avalanche de perguntas, tentava explicar o que era tereré, erva mate, berrante… (fico imaginando o que ele não passou comigo, logo que me mudei para a Itália… 😳 )

Depois de muitas risadas e explicações, comemos excelentes sopas paraguaias (que de sopa não tem nada…), embalamos algumas chipas para viagem e lá fomos nós rumo a Bonito.

Todas as vezes que pensava em Bonito era a imagem da Gruta do Lago Azul que me vinha em mente… Eram as fotos dessa Gruta que eu procurava na internet pra mostrar pro meu namorado para onde iríamos (tadinho… totalmente perdido na geografia brasileira…) e a Gruta foi o primeiro passeio que agendei nos nossos 4 dias de Bonito. Estava super ansiosa para conhecer a gruta e conferir se a água era azul mesmo ou se era tudo truque fotográfico para atrair turistas…

Saímos do hotel bem cedo, porque não conhecíamos as condições da estrada de terra e com um carro mil na mão não dava pra brincar… Que bela surpresa, a estrada nem era ruim, mas mesmo assim demoramos um monte para chegar no nosso destino… Fizemos uma parada estratégica para observar um tucano que voava pra lá e pra cá, todo exibicionista, tivemos que reduzir a velocidade para não atropelar uma siriema desorientada que corria na frente do carro, e, principalmente, enfrentamos muitos bois descansando felizes no meio da estrada e que não tinham a menor intenção de sair do lugar…

gruta-lago-azul1.jpg

Chegamos no horário previsto, nos juntamos aos demais do grupo, pegamos os capacetes e, finalmente, eu conheceria a Gruta do Lago Azul, símbolo de Bonito (pra mim, pelo menos!). Enquanto descíamos, a guia dava algumas explicações sobre a formação rochosa do lugar, alguns dados históricos sobre a Guerra do Paraguai, mas eu confesso que não prestei muita atenção, não… Pra mim, naquele momento, a gruta não era para ser explicada, era pra ser admirada…

Eis que, do nada, um menino de uns 12 anos, do nosso grupo, que estava com os pais, resolve ter um ataque de pânico, chorava desesperado, empacou num canto e disse que não iria mais pra lado nenhum. A guia ficou meio sem saber o que fazer… Tinha que continuar o tour, mas não podia deixar o menino ali sozinho, também não podia retornar com o menino e deixar o grupo sozinho… Resultado: ficamos parados ali uns 15 minutos até que um outro grupo, já de saída, cruzou com a gente e levou o menino e seus pais embora.

Enquanto esperávamos, estiquei o pescoço sobre uma rocha e finalmente consegui ver o quão azul era o lago! A partir de então, não senti os 15 minutos passarem, não ouvia mais o choro do menino, estava completamente hipnotizada… O lago é azul mesmo!!! Mas não é um azulzinho sem graça… É azul de verdade! Parece até que jogaram tinta na água, porque é impossível um azul tão azul ser de verdade, sem nenhum retoque!

Logo o pessoal do grupo se deu conta da minha “descoberta” e, como já havia gente demais dando atenção ao menino, atrás de mim já existia fila pra esticar o pescoço e curtir um pedacinho do azul do lago.

gruta-lago-azul2.jpg

Problema resolvido, menino são e salvo com seus pais fora da gruta, ninguem mais falava sobre a formação rochosa do lugar ou sobre a Guerra do Paraguai… O assunto era “doença”, ataque de pânico, depressão, aquela vez que a tia não sei de quem teve um problema não sei do que, o irmão que sofria de não sei que coisa… Péssimo!

Ainda bem que não durou muito! Logo vimos o azul do lago em todo o seu esplendor e ninguém mais se lembrou de doença nenhuma. O assunto da vez era “oohhhh”, “uau!!”, “que lindo!”, “fantástico!”.

gruta-lago-azul.jpg

Pausa para fotos e fim do passeio… Só nos restava subir a trilha de volta à superfícia e guardar na memória aquela paisagem incrível, porque as fotos saíram quase todas escuras, tremidas, desfocadas, tortas… Não é fácil fotografar em grutas!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

28 thoughts on “Gruta do Lago Azul

  • 05/04/2008 at 04:44
    Permalink

    Uau! que azul do lago… confesse que você retocou essa foto no photoshop, ein?
    Brincadeiras a parte, achei seu blog na blogsfera da Margarida. Adorei o post! Ainda quero conhecer bonito por fora e por dentro d’agua.

    Abraços

    Reply
  • 05/04/2008 at 11:00
    Permalink

    Afe Maria… é de tirar o folego!!! SOu doida para ir a Bonito, Pantanal e tudo… conheço pouquíssimo do nosso Brasil sil sil…
    Cade a propaganda disso na Europa ou no mundo??? Ai o Brasil perde tanta oportunidade, né?

    Ah… viu que estou de blog novo??? Só sobre viagem ;)… ainda esta nascendo! ahahah

    bjs

    Reply
  • 05/04/2008 at 23:40
    Permalink

    Luisa

    Afinal Bonito e o Lago Azul são no Brasil ou no Paraguai?Bem,seja onde for deve ser único no mundo com aquela cor!!
    Quando voltar a Portugal tem que programar uma visita aos Açores.Temos lá umas lagoas também com uma cor incrível.Uma delas,a Lagoa do Fogo, é talvez a maravilha da natureza que mais me impressionou até hoje!!

    Bjinhos

    Reply
  • 07/04/2008 at 00:53
    Permalink

    Maravilhoso mesmo, Luisa…eu também fiquei besta com a cor da água de lá. Dizem que a região toda é cheia de grutas que não são abertas ao turismo e que também são de cair o queixo…

    Reply
  • 07/04/2008 at 22:25
    Permalink

    Esta foto já valeu Luisa, que azul lindo mesmo !!!

    Reply
  • 08/04/2008 at 10:24
    Permalink

    Oi Carol

    Sabe que em todas as minhas tentativas frustradas de fotografar a gruta, o azul do lago era a única coisa que saía direito! 🙂

    Seja bem vinda ao blog!

    Bjs

    Reply
  • 08/04/2008 at 10:30
    Permalink

    Mirella,

    Você roda o mundo inteiro e conhece pouquíssimo do Brasil?? Que feio… tsk, tsk, tsk… 🙂

    Acabei de ver seu blog novo! Já, já volto lá pra ler tudo com calma! Parabéns por mais essa iniciativa!

    Bjs

    Reply
  • 08/04/2008 at 10:34
    Permalink

    Oi, Margarida

    Bonito fica no Brasil, mas na época da Guerra do Paraguai, o Paraguai invadiu a área, que depois foi retomada pelo Brasil.

    Sabe que uma visita aos Açores está na minha listinha há algum tempo… Preciso de mais féria$$…

    Bjs

    Reply
  • 08/04/2008 at 10:37
    Permalink

    Oi Emilia

    Ouvi dizer mesmo que gruta é o que não falta por ali… Espero que saibam preservá-las!

    Bjs

    Reply
  • 08/04/2008 at 10:39
    Permalink

    Oi, Majô

    O azul hipinotiza, né? Lindo demais!

    Bjs

    Reply
  • 09/04/2008 at 16:52
    Permalink

    Oi, Luisa. Meu nome é Patricia e escrevo para o Blog da Stella Barros Turismo. Queria um email seu de contato para te fazer um convite, você me passa?
    Um grande abraço

    Reply
  • 22/07/2008 at 01:44
    Permalink

    é massa de mais queria ir ai
    vou pedir ao meu daddy
    para nós irmos para lá de avião

    Reply
  • 22/07/2008 at 01:49
    Permalink

    gosto mais da jujuba do que dessa caverna
    queria que a jujuba fosse desse tamanho

    Reply
  • 24/01/2009 at 06:25
    Permalink

    oiiiiiiiiii………olha eu ai de novo te enchendo a paciencia.rsrsrsrs….é linda essa gruta me apaixonei por ela………amei seu blog……..

    Reply
    • 27/01/2009 at 11:04
      Permalink

      Oi Stefane,
      Vc nao me enche a paciencia! Pelo contrario, fico muito feliz que vc tenha gostado do blog!
      Bjs

      Reply
  • 31/01/2009 at 21:28
    Permalink

    olá……luiza eu vizitei outro blog de uma turista e ela disse que veneza cheira mofo e que a cidade esta mal concervada……….é verdade?

    Reply
    • 04/02/2009 at 20:57
      Permalink

      Oi Stefane,
      Veneza é uma cidade antiga, feita na agua e cheia de turistas; se eu disser que é perfumada, vou estar mentindo, mas, pra mim, o cheiro não é forte, é restrito a alguns lugares e não incomoda. Sinceramente, acho a cidade tão bonita que nem lembrava do cheiro!
      Bjs

      Reply
  • 05/02/2009 at 04:40
    Permalink

    bom saber,acho entao q ela exagerou um pouco e diz ela q ja foi para la 4 vezes!!!!!!!!!se la fedia tanto assim porque ela foi tantas vezes?nem mentir ela sabe!!!!!!!veneza e o meu sonho e nao e essa turista q vai destrui-lo…….muito obrigada pelo esclarecimento….bjssssss…..fik com deus

    Reply
  • 07/02/2009 at 04:12
    Permalink

    Oi Stefane,
    Cada um com suas impressões sobre os lugares… Pra vc saber se Veneza vale a pena ou não, vai ter que conferir pessoalmente! 😉
    Bjs

    Reply
  • 07/02/2009 at 06:13
    Permalink

    é verdade……nao vejo a hora de conhece-la………bjussssss…….e desculpe o encomodo………

    Reply
    • 10/02/2009 at 20:02
      Permalink

      Vc não incomoda, Stefane!
      É um prazer receber suas visitas!
      Bjs

      Reply
  • 10/02/2009 at 21:22
    Permalink

    Luisa, estou achando seu blog estupendo porque você vai a todos os lugares onde planejo ir!

    Aliás, já estou há quase uma hora viajando por Ushuaia, um kasbah no Marrocos, o inferno de Dante, a casa da Julieta… Agora estou indo para a Rússia.

    Nos vemos por aí!

    Reply
    • 11/02/2009 at 18:05
      Permalink

      Oi Rosane,
      Viajar è mesmo bom demais, mesmo que sò virtualmente!
      Estou louca de curiosidade de viajar com vc pela Muralha da China!
      Bjs

      Reply
  • 11/02/2009 at 18:52
    Permalink

    Luisa, querida:

    Pois é, tenho um blog, mas não é de viagens. É um trivial variado. Mas o seu incentivo me animou a fazer algo diferente…

    A viagem para a Muralha ocorreu em 1995. Ainda na época em que chinês não falava inglês (e muito menos com estrangeiros) e a gente tinha que andar pelas ruas de Pequim com o endereço de onde queríamos ir no verso do cartão do hotel para não nos perder.

    Pequim era um canteiro de obras, não faço idéia no que se transformou. E a viagem à Muralha era contratada no hotel, numa agência de viagens do Governo. Não vimos os guerreiros de terracota porque o local estava em obras e demorei quase um dia inteiro para descobrir que o “tchamamau” que o guia insistia em balbuciar, era, na verdade, “Chairman Mao”.

    Ou seja, perdi toda a explicação sobre os anos da revolução porque o inglês do guia era incompreensível.

    Fora isso, andei de bicicleta no trânsito caótico das mega avenidas (e caí, sendo muuuito xingada), vi homens cortando cabelo nas calçadas, escorpiões para vender nas feiras e muitos chineses fazendo tai-chi às 6h da manhã nos canteiros centrais de ruas e avenidas de uma Pequim nebulosa e já poluída. Ah sim, também vi uma fartura em lojas e mercados inimaginável para um país socialista (eu sempre fui acostumada à Cuba, em que tudo carecia).

    Um dia volto. Mas com nostalgia. Essa China mezzo capitalista não faz minha cabeça não.

    Agora, exotismo mesmo eu vi no Nepal. E no Tibete (e como adoro diferenças, ando de olho na República de Omã – mas decidi ir para a Itália agora, nesses 15 dias de férias…).

    Nossa, Luisa, falei muito… Passei seu endereço para minha mãe, que adora viajar pela Internet. Ela ficou feliz da vida e combinou de ficar navegando pelos seus roteiros e depois comentar comigo. Igual novela!

    Beijo grande e, claro, Boa viagem (seja ela qual for)!!!

    Reply
    • 13/02/2009 at 16:33
      Permalink

      Nossa, Rosane!
      Quanta historia pra contar! Passou da hora de fazer um blog de viagens!
      Vc se enfiou em lugares que eu morro de vontade de visitar, mas nunca acho que estou “preparada”!
      Fiz uma visitinha ràpida no seu blog “trivial variado” e gostei muito do jeito que vc escreve, mas vou voltar com mais tempo pra ler tudo direitinho!
      Espero que sua mae se divirta no meu blog! Ela serà muito bem vinda!
      Bjs

      Reply
  • 13/02/2009 at 20:59
    Permalink

    Minha mãe vai amar o seu blog! :o))

    E puxa, que honra receber sua visita na Zuppa!

    Olha, só poderei fazer esse sítio de viagens a partir da próxima semana, quando apresento minha dissertação de mestrado. Aí dou um mês, parto para o novo périplo (Viena-Veneza-Pádua-Florença), tiro muitas fotos e começo a brincadeira.

    Fique tranquila (ui que saudade do trema!) que você será a primeira pessoa a ser convidada para conhecê-lo!

    P.S – Só um detalhe: afinal, como é essa tal sopa paraguaia?????

    Beijos e bom fim-de-semana!

    Reply
    • 14/02/2009 at 22:52
      Permalink

      Oi Rosane
      Mestrado é duro! Acabei de acabar o meu e te entendo perfeitamente! Sucesso na apresentação!
      Esse seu périplo vai render ótimos posts! Vale a pena a esperar! Só não esqueça de me dar o endereço do blog!
      Ah, eu achei a sopa paraguaia parecida com uma polenta temperada, mais dura, pra comer em pedaços. É boa, mas de sopa não tem nada! 🙂
      Bjs e boa viagem

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *