Kondoa

Um dos lugares da nossa lua-de-mel na Tanzania que rendeu boas brigas com a agencia de turismo foi Kondoa. A agencia desaconselhava vivamente uma viagem para lá e tivemos a impressao de que eles nao queriam mesmo era ter o trabalho de organizar alguma coisa fora do circuito dos parques mais visitados.

A justificativa para tanta mà vontade era que em Kondoa nao existe um hotel decente para uma lua-de-mel, pois o maximo que o lugar oferece sao “guest houses low profile” e de que o transporte atè là era muito dificil.

kondoa15

Com relaçao ao transporte, foi mesmo bem dificil. Saimos de Arusha e enfrentamos quase 200km de estrada de terra num jipe chacoalhante, munidos de garrafas d’agua e uma marmita com uns pedaços de frango assado, uns biscoitos industrializados e uma laranja.

kondoa14

Foi dificil, mas foi uma experiencia e tanto! Passamos por diversas cidades com mercados a todo vapor e o nosso motorista nos explicava como esses mercados funcionavam, qual mercado era o melhor para comprar alguma coisa especifica e no meio das explicaçoes, eis que, timidamente, ele nos perguntou se nao podiamos parar num dos mercados para que ele pudesse comprar arroz mais barato para levar para sua casa.

kondoa2

Eu fiquei bem feliz com a ideia, pois queria mesmo ver de perto aquele vai-e-vem de gente num autentico mercado africano. Confesso que, pra quem tà acostumada a ver arroz em sacos plasticos nos supermercados, me assustei ao ver montanhas de arroz ainda na casca (o marido sequer tinha reconhecido o arroz! olha o nivel!), e mulheres que peneiram tudo freneticamente e homens que pesam e ensacam o arroz peneirado para os compradores.

kondoa1

Eu nao sei dizer se eramos nòs os surpresos com mercado ou se a surpresa maior era a das pessoas presentes no mercado. Elas olhavam pra gente com tanta curiosidade que chegava a ser atè um pouco constrangedor; alguns adolescentes atè vieram tentar conversar com a gente, mas eles sò falavam swahili e a comunicaçao era impossivel.

kondoa10

Seis horas de estrada de terra depois, finalmente chegamos em Kondoa. Com o cansaço, eu comecei a me preocupar seriamente com a tal “guest house low profile”, mas descobri que era um exagero da agencia de turismo. O New Geneva Hotel era um hotel muito, muito simples, mas tinhamos um quarto com lençois e toalhas limpos, um banheiro privativo com agua quente e muita simpatia e sorrisos de todos os que trabalhavam ali. Nao è um hotel ideal para uma lua-de-mel, mas garanto que jà fiquei em coisa muito pior em Roma!

kondoa11

Aproveitamos o resto do dia disponivel para visitar Kondoa e adorei o que vi, era tudo muito limpo e organizado. Apesar da pobreza, eu via dignidade por onde passava. As crianças sorriam pra gente e se aproximavam com curiosidade (e nao pra pedir dinheiro, como nas partes mais turisticas da Tanzania por onde passamos); as mulheres varriam o chao de terra batida da frente das casas com muito cuidado e o lixo era devidamente queimado num cantinho.

kondoa4

Mas o que exatamente nòs fomos fazer perdidos em Kondoa? O que tem là de tao interessante pra merecer essa funçao toda com deslocamento e hotel?

Em Kondoa existem pinturas rupestres prè-historicas que sao tuteladas pela Unesco e que, apesar do sol, do vento e das chuvas, sobrevivem hà mais de 7 mil anos em rochas expostas a todas essas intemperies. Como tinhamos adorado a Caverna de Lascaux, estavamos muito curiosos para ver a arte rupestre de Kondoa.

kondoa13

Mas nao basta estar em Kondoa para ver as pinturas prè-historicas! No dia seguinte de manha, fomos atè o povoado de Kolo pertinho de Kondoa para organizarmos a nossa visita no “Centro de Informaçoes Turisticas”.  Em Kolo encontramos 3 ou 4 casas, e vàrias criancas brincando. Segundo o nosso guia, uma daquelas casas, a que estava fechada, era o tal centro. O guia falou alguma coisa com as crianças que sairam correndo buscar o responsavel pelo turismo da regiao.

Dois minutos depois, eis que surge alguem para abrir o Centro Turistico, que consiste em um pequeno museu com peças prè-historicas encontradas na regiao e muitas explicaçoes em ingles sobre a origem, a historia, a tecnica e o significado das pinturas rupestres. Muito interessante e muito util para compreender o que estavamos prestes a ver.

kondoa8

O responsavel pelo turismo sobe no carro com a gente e começa a dar indicaçoes ao nosso guia para onde seguir, pois a area onde se encontram as pinturas è vastissima e sem conhecer a regiao, è impossivel chegar atè essas rochas.

Se eu tinha achado a estrada de terra atè Kondoa dificil, è pq nao tinha ainda visto a estrada que leva atè as pinturas. Na realidade aquilo nao era uma estrada, parecia mais uma trilha e acredito que nenhum turista sozinho daria conta de se achar por ali.

Em nao bastando, quando a “estrada” termina, ainda tem um bom pedaço para se fazer a pè, num terreno ainda mais selvagem e ingreme!

kondoa3

Os nossos guias nos levaram de carro em 3 lugares diferentes onde existiam rochas com pinturas de diferentes idades: desde 7 mil anos atras atè 600 anos atras. E em cada um desses lugares existiam 2 ou 3 rochas enormes completamente desenhadas, mas para chegar nessas rochas, dá-lhe caminhada no meio do mato!

kondoa6

Por causa da diferença de idade das pinturas, pudemos observar como as cores, a tecnica e os objetos desenhados se modificaram no tempo. As pinturas mais antigas sao as vermelhas e normalmente representam guerreiros e cenas de caça; as pinturas brancas sao as mais recentes e representam cenas de agricultura, com muitos girassois desenhados. E pra se ter certeza de que as pinturas sao mesmo africanas, existem muitos elefantes e girafas representados em todas as epocas.

kondoa9

Essa visita a Kondoa que tinha tudo pra ser um desastre, conforme sugeriu a agencia de turismo, acabou se revelando um dos pontos altos da nossa lua-de-mel. Nao foi um passeio confortavel ou romantico, mas foi um passeio 2 em 1: fizemos uma interessantissima visita em um lugar onde nao sò aprendemos sobre as pinturas rupestres e a historia dos povos antigos do leste africano, mas tambem tivemos a oportunidade de ver uma parte da Tanzania que nao se encontra nos guias de turismo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

10 thoughts on “Kondoa

  • 09/01/2010 at 13:20
    Permalink

    Que legal estas pinturas! Eu adoro arte rupestre, e é um luxo poder vê-las assim de tão pertinho!
    Beijos e Feliz 2010

    Reply
    • 11/01/2010 at 10:56
      Permalink

      Oi Patricia
      E eu estou adorando a serie que vc montou no Artetropia!
      As vezes me vem uma vontade de estudar arte…
      Bjs e feliz 2010 pra vc tb

      Reply
  • 11/01/2010 at 20:43
    Permalink

    Olá Luisa..
    Nossa.. Que aventura essa em Kondoa.. Com certeza deve render boas histórias..
    E a história do arroz é hilária.. Rsrss..
    Abraço..
    Thiago

    Reply
    • 13/01/2010 at 16:25
      Permalink

      Oi Thiago
      Esses programas de indio que a gente inventa de fazer quando viaja viagens rendem sempre boas historias!
      Na hora eu reclamo um pouco, mas depois dou risada da situaçao! 🙂
      Bjs

      Reply
  • 11/01/2010 at 23:13
    Permalink

    Luisa

    Vc já veio ver as nossa pinturas rupestres em Vila Nova de Foz Côa?São o maior complexo de arte rupestre ao ar livre conhecido até hoje,com gravuras com 20 000 anos!
    Se ainda não foi lá pode já programar uma visita e assim finalmente podemos tomar o nosso cafézinho…histórico nesse caso…hehe 🙂

    Bjs

    Reply
    • 13/01/2010 at 16:27
      Permalink

      Ai, Margarida, tem tanta coisa em Portugal que eu preciso ver…
      Vergonha… 😳
      Mas tenho fè que um dia esse cafè sai! 😉
      Bjs

      Reply
  • 12/01/2010 at 01:33
    Permalink

    Luisa, e você ainda tem coragem de continuar dizendo que é fresca? 😉

    Reply
    • 13/01/2010 at 16:29
      Permalink

      Oi Camila,
      A minha sorte è que sou mais curiosa que fresca! 🙂
      Bjs

      Reply
  • 11/01/2013 at 04:49
    Permalink

    Olá. Parabéns pelo blog =) A viagem é super legal, né?
    Pergunta: que época você foi? E fechou por qual agência.
    Super obrigado!

    Reply
    • 21/01/2013 at 12:32
      Permalink

      Oi Dante
      Fui de lua de mel no final de junho de 2009 e fechei com uma agencia aqui da Italia, mas vou dizer qual pq nao recomendo. Nao gostei dos serviços deles.
      Bjs

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *