Mulheres-girafas

Quando eu estava organizando a viagem para a Tailandia eu me deparei com um problema etico-turistico: visitar ou nao a cidade das mulheres-girafas. Caso decidisse visita-la, eu teria que organizar todo o meu roteiro de modo a incluir uma das provincias mais isoladas da Tailandia (Mae Hong Son).

Como eu nao tinha muito tempo à disposiçao, achei melhor deixar essa regiao para ser visitada como se deve numa proxima viagem (o Mae Hong Son Loop entrou na minha listinha…) e acabei esquecendo as mulheres-girafas.

Mas chegando em Chiang Mai, vi que uma das atraçoes dos arredores da cidade è justamente a aldeia das mulheres-girafas. Sem saber muito bem do que se tratava, pois aquela nao è a regiao das mulheres-girafas, fui conferir mesmo assim.

Para chegar là existem 2 opçoes: de carro ou de elefante. Tem uma outra atraçao ali na regiao que è andar de elefante e o tour com o elefante compreende a visita à aldeia das mulheres-girafas. Eu escolhi ir de taxi.

Chegando là, descobri que nao è exatamente uma aldeia das mulheres-girafas, è mais um “museu etnico”, com a reproduçao dos estilos de vida das varias etnias de montanha da Tailandia, cada uma com lingua, costumes, roupas, religioes proprias, entre eles a etnia karen (kayan) das mulheres girafa.

Falando assim atè parece interessante, mas na pratica è um zoo humano vero e proprio: Reconstruiram as casas tradicionais das varias etnias tailandesas, colocaram as pessoas para morarem ali, vendendo artesanato, e cobram ingresso dos turistas. E na entrada ainda dao explicaçoes sobre como se comportar durante a visita, no melhor estilo “nao de comida aos animais”.

Fazendo um paralelo com o Brasil, è como se inventassem um museu onde pudessemos ver gauchos de bombacha vendendo chimarrao, cariocas com roupas de rainha da bateria de escola de samba vendendo pandeiro, baianas vendendo berimbau… E’ triste de ver, mas ao mesmo tempo, nao dà pra condenar totalmente esse tipo de trabalho.

A maior parte dessas tribos de montanha vivem em uma situaçao complicada porque sao apatridas e, por nao possurem a cidadania tailandesa, nao podem trabalhar legalmente, nao tem nenhum tipo de assistencia sanitaria, nao podem matricular os filhos na escola, nao podem comprar terras… Sao aliens que encontraram no turismo uma forma de sobreviver.

Ah, e ao contrario do que eu pensava, os colares que elas usam nao faz mal para a saude. Elas tem sim o pescoço mais comprido, mas podem por e tirar o colar quando bem entendem (elas tem varias fotos sem o colar para satisfazer a curiosidade dos turistas). Seria a versao tailandesa para os nossos piercings e tatuagens.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

11 thoughts on “Mulheres-girafas

    • 17/01/2012 at 18:57
      Permalink

      Oi Mirella
      E’ um daqueles lugares que me colocou pra pensar! Adorei e detestei ao mesmo tempo, se è que isso è possivel! 🙂
      Bjs

      Reply
  • 18/01/2012 at 13:27
    Permalink

    Estou gostando de receber seus post. Espero algum da Rússia e Canadá, meus próximos prováveis destinos.

    Reply
    • 18/01/2012 at 14:13
      Permalink

      OI Romeu
      O que eu tinha que escrever sobre a Russia, jà està tudo publicado no blog…
      Bjs

      Reply
    • 23/01/2012 at 16:10
      Permalink

      Oi Carina
      Essa è uma das partes que mais me fascinam nas viagens: abrir a mente, aprender coisas novas, ver o outro lado da coisa e “nao ter aquela velha opiniao formada sobre tudo”.
      Bjs

      Reply
  • 29/02/2012 at 14:08
    Permalink

    Adorei ler estes seus posts pois finalmente vou este ano até à Tailândia e também quero muito visitar a tribo das mulheres-girafa. Já vi várias fotos destas mulheres, mas você tem aqui uma foto fabulosa, essa da mãe-mulher-girafa dando de mamar ao seu pequeno filhote. (posso levar esta foto…?…) ADOREI. Continue dando dicas sobre o que visitar na Tailândia e em Phuket, se puder. Obrigada pela partilha.

    Reply
    • 09/03/2012 at 10:40
      Permalink

      Oi Tulipa
      Vou ficar te devendo, acho que eu sou a unica pessoa do mundo que passou 12 dias sò na Tailandia e nao foi à praia…
      Bjs

      Reply
  • 07/03/2012 at 20:13
    Permalink

    Eu estive nesse mesmo lugar onde você foi, Luisa, em janeiro de 2011, e tive o mesmo tipo de sensação… Ao mesmo tempo em que não é legal ver essa exploração do pseudo “típico” ou “exótico”, também não dá pra condenar a necessidade dessas pessoas de se sustentar – eles vendem o “produto” e o turista paga pra ver… Fui sem nenhuma expectativa de ver “autenticidade”, o que foi ótimo, porque eles são os primeiros a deixar bem claro que estão fora de sua terra natal, procurando oportunidades de sustento com o turismo naquela região. Vendo por esse ângulo, achei a visita até bem divertida… mas é como você mesma já disse, “adorei e detestei ao mesmo tempo”. 😉

    Reply
    • 09/03/2012 at 10:49
      Permalink

      Oi Carla
      Interessante essa contradiçao de sentimentos, nè?
      Eu ainda nao consegui decidir se gostei ou nao da visita…
      Legal te ver por aqui!
      Bjs

      Reply
  • Pingback: Dia 33, 27/01 – As mulheres-girafa de Chiang Mai (manhã) | Idas e Vindas – Viagens e Aventuras

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *