Nosso roteiro na Ilha de Pascoa – parte 1

No caminho do aeroporto pro hotel, recebemos algumas dicas sobre as melhores maneiras de se visitar a ilha e o proprietario da nossa cabana nos deu a dica mais util de todas: “Nao percam tempo nem dinheiro com passeios em grupo. Comprem o livro do James!”

O “livro do James”, como è conhecido por ali, se chama “A Companion to Easter Island” , o guia mais completo e conciso que eu tive a oportunidade de ler sobre a Ilha de Pascoa. O autor, James Grant-Peterkin trabalha (ou trabalhava?) como guia de turismo na ilha e nesse guia ele  juntou a parte historica com os macetes de visitaçao que sò um guia experiente conhece.

E o mais legal: no livro ele colocou 3 roteiros redondinhos que contemplam a maior parte das atraçoes da ilha, classificadas com estrelinhas de acordo com a importancia do lugar. E como se nao bastasse, esses roteiros foram elaborados de modo a otimizar os deslocamentos, variar os interesses, fugir dos grupos de excursao e ainda aproveitar o melhor horario para as fotos.

rapanuimap rot123
Nossos roteiros adaptados do livro do James

Sao 2 roteirinhos de meio periodo e 1 roteiro de dia inteiro. Com o livro do James na mao e um carro a disposiçao, bastam 2 dias inteiros pra ver praticamente a ilha toda sem correrias. Nòs tinhamos 3 dias inteiros livres (sem contar o dia da chegada e da partida) e uma criança de 3 anos que reduz o ritmo de qualquer viagem (visitamos alguns lugares em turnos, por exemplo, enquanto ela dormia no carro) e achei que foi perfeito.

1° dia – A chegada.

O primeiro dia è meio perdido, depois de quase 5 horas de voo, sò queriamos saber de tomar banho e descansar.

DSC01079

Aproveitamos o restinho do dia para passear por Hanga Roa meio sem rumo, tentando adquirir um minimo senso de localizaçao e fizemos umas comprinhas pra abastecer a geladeira da cabana.

2° dia – Orongo e Rano Kau.

Começamos o dia seguindo a ordem do proprietario da cabana e fomos direto a uma loja de souvenir adquirir o livro do James. Dali fomos à sede do Conaf comprar nossos ingressos para o Parque Nacional Rapa Nui e finalmente começamos nosso passeio (em vermelho no mapa acima)

DSC01004

James (para os intimos!) começa o tour de manha por Vinapu, que è inclusive o melhor horario para foto do lugar, mas como todo turista recém chegado que se preze, nòs estavamos avidos por conhecer as atraçoes mais famosas, entao seguimos direto para Rano Kau e Orongo e deixamos Vinapu pro final.

DSC01006

Foi sò continuar na mesma estrada onde se localiza Conaf e uns 5 minutos depois jà tivemos a primeira parada para apreciarmos uma vista linda de Hanga Roa e do resto da ilha. E mais uns 10 minutos eis que chegamos a Rano Kau, a maior cratera vulcanica da Ilha de Pascoa, com um lago dentro coberto de vegetaçao. Um desbunde!

DSC01009

Dali seguimos pra Orongo. Diz o James que com 15 minutos de caminhada contornando a cratera de Rano Kau voce chega em Orongo. O sol forte nos convenceu a ir de carro, 5 minutos dirigindo.

DSC01022

Orongo è um sitio arqueologico de uma vila onde eram realizadas as cerimonias de culto do homem-passaro e o principal lugar de arte rupestre da Ilha de Pascoa. Na entrada de Orongo tem uma estrutura onde verificam o teu bilhete de entrada e expoem alguns quadros explicando a importancia do lugar e o que era o ritual do homem passaro.

DSC01034

Vi um banheiro e mais nada; nao tem nem uma misera maquina automatica pra vender agua.

DSC01043

De Orongo seguimos a estrada atè Vinapu, que è plataforma de pedra (ahu) sobre a qual colocam os moais. A gente fica tao embasbacada com os moais da Ilha de Pascoa, que acaba nem prestando atençao na plataforma onde eles estao apoiados. E Vinapu è o melhor exemplo desse tipo de arquitetura da ilha, sendo comparada inclusive à arquitetura inca, entao se tiver que observar uma plataforma de pedra, que seja essa!

DSC01056

Como a herdeira jà estava morrendo de fome, demos por terminado o nosso roteiro e voltamos para Hanga Roa para almoçar. Pra quem nao tem pressa pro almoço, James acrescenta no roteiro uma visita a Ana Kai Tangata, uma caverna de facil acesso com pinturas rupestres.

DSC01048

Depois do almoço aproveitamos  a tarde para visitar as atraçoes de Hanga Roa: o mercado de artesanato, a igreja, o museu e è claro um parquinho, afinal temos que atender às exigencias de todos os membros da excursao ;D .

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *