Olímpia

Pra quem fica hospedado em Nafplion, ou até mesmo em Tripoli, Olímpia é o lugar mais fora-de-mão de todo o Peloponeso. Foi a estrada mais cansativa e demorada que fizemos (mas também a mais curiosa). Foram mais de 3 horas para percorrer  200km!

Agora eu consigo entender porque 99% dos turistas em Olímpia faziam parte de excursões organizadas por cruzeiros.

Quando fomos comprar os ingressos, a caixa perguntou se gostaríamos de ver o museu também, pois os ingressos são vendidos separadamente… Bom… depois de toda aquela viagem, eu queria ver tudo o que tinha direito e, além disso, só tem banheiro no museu…

Por razões puramente, digamos, “fisiológicas”, decidimos visitar o museu antes de conhecer o sítio arqueológico.

Foi a melhor escolha que poderíamos ter feito! E não digo só pelo “alívio” na bexiga, não!

olimpia8.jpg

Com a visita feita primeiramente ao museu, tivemos a oportunidade de ver as estátuas que foram encontradas em Olímpia, ter uma idéia mais precisa de como eram os templos e de como eram decorados e também ter uma noção da grandiosidade e riqueza da quinta maravilha do mundo antigo: a estátua de Zeus, feita por Fídias, toda em ouro, marfim e pedras preciosas

olimpia6.jpg

Além, é claro, de ver pessoalmente e de pertinho a famosa estátua de Hermes que segura o pequeno Dionísio feita no IV século antes de Cristo pelo escultor grego Praxíteles. Segundo os entendidos de arte, no braço quebrado de Hermes tinha um cacho de uvas, que o futuro Deus do Vinho tentava alcançar.

olimpia7.jpg

Depois de devidamente informados sobre o que veríamos no sítio arqueológico, seguimos para as ruínas de Olímpia.

Juro que, sem a visita ao museu, Olímpia seria simplesmente um amontoado de pedras sem sentido e sem muita graça. Mas conhecendo um pouco da história e da mitologia do lugar, a sensação é de fazer parte da história.

olimpia1.jpg

Sabe quando você lê um bom livro e, seguindo as descrições do autor, as paisagens vão se formando na sua imaginação? É mais ou menos a mesma coisa.

olimpia5.jpg

Andando por aquelas ruínas, os amontoados de pedras vão se transformando na antiga Olímpia, com todo seu esplendor…

Eu colocava cada estátua que tinha visto no museu no seu devido lugar e reconstruí Olímpia na minha cabeça. Pensando bem, acho que a Olímpia que eu criei é até mais bonita do que a original…

olimpia3.jpg

Eu quase podia ver os participantes dos jogos olímpicos que treinam na palestra, a chama olímpica sendo acesa em frente ao templo de Hera (onde é acesa até hoje), os atletas em competição…

olimpia2.jpg

(Essa parte dos atletas em competição merece uma explicaçãozinha: apenas homens gregos podiam participar do jogos olímpicos, e normalmente competiam completamente nus. As mulheres e os escravos não podiam nem chegar perto… nem como atletas, nem como espectadores. Com a dominação romana, os romanos, só homens obviamente, também puderam participar. Mas com os romanos, os jogos foram perdendo sua importância até que foram abolidos totalmente.)

Foi um passeio fantástico!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

13 thoughts on “Olímpia

  • 21/12/2007 at 21:55
    Permalink

    Luisa, parabéns, seu blog é maravilhoso. Tenho acompanhado em silêncio, sempre com muita admiração.
    Visitei Marrocos (1990) e foi bem fácil. Fomos de avião POA-SP-LIS-Casablanca. De Casab. até Marrakesh e Marrakesh à Rabat utilizamos trem, e fizemos um bate-volta Marrakesh/Quarsazate de ônibus. Nas cidades usamos táxi, super tranquilo. Não te preocupes, naquela época o turismo era bem apoiado e acredito que hoje seja ainda mais fácil. Uma boa viagem e aproveitem muito.

    Reply
  • 22/12/2007 at 11:18
    Permalink

    Olá Clarice
    Muito obrigada pelos elogios! Seja bem vinda ao blog!
    Fico muito mais tranquila de ter a opinião de alguém usou transporte público no Marrocos, estava com medo que pudesse ser mais complicado. Valeu mesmo!!
    Bjs

    Reply
  • 24/12/2007 at 01:38
    Permalink

    Oi, Luisa!
    Só queria passar aqui para te desejar um lindo Natal e um 2008 mais que bacana, muito feliz e cheio de viagens…
    Um grande abraço!

    Reply
  • 27/12/2007 at 02:09
    Permalink

    Luisa,

    agora que meu acesso está se normalizando pude ler com calma sua viagem pelo Peloponeso! Está tudo muito lindo!

    Parabéns pelo seu lindo blog, um feliz Natal atrasado e meus votos para um fantástico ano novo!

    Abraços,
    Carla

    Reply
  • 31/12/2007 at 06:10
    Permalink

    Luisa,
    Linda Olimpia !!
    Desejo a você um ótimo 2008 com alegrias e muitas viagens.

    Reply
  • 06/01/2008 at 18:47
    Permalink

    Emilia, Luis, Carla e Majô, valeu mesmo! Por causa das férias de final de ano estive meio relapsa nas últimas 3 semanas… Mas acho que agora tudo volta ao normal.

    Que vocês tenham um 2008 maravilhoso e cheio de viagens!

    Bjs

    Reply
  • 06/01/2008 at 22:49
    Permalink

    Luísa imagino como de bom foi o teu natal, e a tua passagem de ano? Com a Itália quase cheia de neve! Faço ideia.
    Olímpia é maravilhosa! Com todo o seu esplendor, a arqueologia, a história, a mitologia… é espantoso.

    Reply
  • 07/01/2008 at 07:28
    Permalink

    Luisa, que beleza deve ser a Grecia. Aqui na India tambem babo com os monumentos historicos.
    Feliz 2008 para voce.
    Um beijo de Goa

    Reply
  • 07/01/2008 at 18:53
    Permalink

    Oi Luisa,

    Desejo um feliz 2008 para você e sua família.
    Que esse ano possa trazer muitas viagens boas e inesqueciveis.

    Beijo e abraço.
    Felicidades
    Patsy

    Reply
  • 09/01/2008 at 11:43
    Permalink

    Luis, as viagens de final de ano foram realmente ótimas, mas não peguei neve, não! Como um pássaro migratório, voei pro sul!

    Marcella, que prazer vê-la em meu blog! Seja bem-vinda!

    Patsy, que 2008 traga viagens boas e inesquecíveis pra todos nós!

    Bjs

    Reply
  • 21/07/2010 at 20:43
    Permalink

    Maravilhosa sua percepção de Grécia, onde apurar todos os orgãos e sentidos é quase inevitável. A propósito dos “prerrengues” moscovitas, convém realçar a incrivel boa vontade dos gregos, na recepção e orientação ao turista. Nunca me senti tão acolhido e amparado.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *