Pantanal

O Pantanal sempre esteve nas minhas wish lists, o único problema é que eu precisava encontrar um modo para visitá-lo que se adaptasse ao meu estilo, digamos, urbano de ser….

Em bom português, isso significa que eu sou fresca o suficiente para não embarcar em nenhum tipo de pescaria, acampamento ou qualquer outra opção do gênero que envolva um contato muito próximo com uma parte da natureza, pra mim, totalmente dispensável: os mosquitos; e sou metida o suficiente para não me contentar com hotéis grandes no estilo “resort-fazenda”, que me dão uma sensação de não autênticos, do tipo “construidos para agradar gringo” (Nota: isso é puro preconceito da minha parte, nunca fiquei num hotel desses para tirar a prova).

 

Fazendo buscas pela internet, encontrei a Fazenda Bela Vista, que me parecia uma boa opção dentro do que eu estava procurando e, pra melhorar, ainda ficava na Estrada Parque, um dos lugares que eu fazia questão de visitar!

Pra chegar até a Fazenda foi uma aventura… Nós sabiamos que a Estrada Parque era desterrada e que tinha muitos animais pela estrada, então fomos dirigindo bem devagar e curtindo cada bicho que cruzava nosso caminho… Nessa alegria toda, acabamos nos perdendo, o celular nao funcionava, começou a anoitecer e a gasolina tava no final…

(Eu queria entender por que os homens se recusam a encher o tanque quando dirigem! Não foi a primeira vez e tenho certeza de que não será a ultima…Humpf!)

Eu já estava até prevendo a nossa primeira noite no Pantanal, dormindo no carro…

Mas como eu sempre tive muito mais sorte do que juìzo, avistei na escuridão a luz de uma TV numa casa… fora as estrelas e os faróis do nosso carro, aquela era a única luz por ali…

Ainda bem que os habitantes da casa sabiam onde ficava a Fazenda que procurávamos e nos deram a feliz noticia de que estávamos bem perto, mais uns 5km e chegariamos!

Chegamos sãos, salvos, e com o tanque de gasolina só no cheiro… Se a fazenda fosse 2km mais pra frente, acho que não chegariamos!

Nós dois éramos os únicos hospedes da fazenda, e, quando chegamos, o jantar estava nos esperando. Aquela comidinha bem caseira: arroz, feijão, salada e carne assada de porco do mato caçado ali mesmo era exatamente o que eu queria!

Na manhã seguinte, programa obrigatório para qualquer um que vai ao Pantanal: pescar piranhas! È muito engraçado, basta colocar um pouquinho de carne no anzol que as bichinhas jà mordem! Não requer prática nem tampouco habilidade!

Quer dizer… Nem foi tão fácil assim… O objetivo eram as piranhas, mas, por duas vezes eu consegui pescar peixes diferentes… Quando já haviamos pescado o suficiente para garantir o jantar, fizemos um tour de barco pelo rio, observando jacarés, macacos, ariranhas e pássaros de todos os tipos, enquanto aprendiamos a reconhecer alguns barulhos da natureza. Aliás, como esses animais são barulhentos!! Parece que apostam pra ver quem grita mais alto!

Depois de um delicioso almoço, com direito a um suculento bife (que saudades que eu tenho dos bifes, no Brasil…), a esposa do proprietário da fazenda, uma bióloga portuguesa muito querida, nos levou para o meio do mato e ali a aula foi profissional. Não só ela avistava, com uma habilidade incrivel, diversos animais mimetizados entre as palmeiras e árvores, como nos dava explicaçoes sobre os diversos tipos de pegadas que encontrávamos (na realidade, que  “ela” encontrava e nos mostrava… por conta propria, não enxergaria uma ùnica pegada sequer! 😳 ), sobre que tipo de animal comia que tipo de fruto, de acordo com as marcas das mordidas deixadas, e até as fezes dos animais davam indicios importantes sobre seus hábitos. Foi uma aula e tanto!

Não parece, mas observar a natureza dá uma canseira! Chegamos mortos e depois do banho providencial, a nossa sopa de piranha estava nos esperando. Que saborosa!

No dia seguinte bem cedo, fizemos um passeio de cavalo pela fazenda. Foi divertido, aprendemos mais um pouco sobre a fauna pantaneira e descobri que não sou adepta desse tipo de transporte, principalmente porque aquele maldito cavalo estava cheio de  carrapatos! Todos os mosquitos que não encontramos em todo o passeio, foram substituidos por picadas de carrapatos… Que tristeza! Acho que ninguém sai incólume do Pantanal!

No periodo da tarde, o proprietário da fazenda nos propos um passeio de caiaque pelo rio, bem romantico, somente eu e o namorado, um isopor cheio de latinhas de cerveja gelada e um por do sol de cair o queixo.

O passeio de caiaque, pra mim, teve seus prós e seus contras, pro meu namorado só teve prós.

Os prós é que o caiaque não faz barulho, então não espanta os animais, além disso, depois das varias aulas, jà conseguiamos identificar sozinhos os diversos rumores da natureza, e direcionávamos o caiaque para onde queriamos, para ver melhor os bichos que queriamos.

Já o contra é que nos estávamos em um misero e leve caiaque de plástico num rio cheio de piranhas e jacarés!  E o infeliz do meu namorado nao podia ver um jacaré que já queria chegar com o caiaque bem pertinho do bicho! Eu tremia de tanto pavor e até hoje sou motivo de piadas por causa disso…

Na manhã seguinte, o proprietário da fazenda nos vendeu um pouco da gasolina que ele tinha no carro (que situação!) para podermos chegar até o posto mais próximo, seguindo tranquilamente pela Estrada Parque.

A Estrada Parque é mais do que um zoológico! Quando vc acha que já viu todo tipo de animal, voce ainda consegue se surpreender com bandos de tuiuius, garças, araras, tucanos, siriemas, capivaras com filhotes, e até um cervo do pantanal!

 

Eu bem que tentava tirar fotos desses animais, mas não conseguia ser rápida o suficiente, ficava contemplando tudo e, quando me lembrava da máquina fotográfica, ja era!

Ah, não é uma graça esse filhote de jacaré que apareceu do nada na piscina da fazenda?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

14 thoughts on “Pantanal

  • 02/07/2008 at 18:09
    Permalink

    Oi Luisa,

    Mesmo destino, experiências diferentes! Isso é o mais legal quando a gente lê os blogs… o ponto de vista das coisas mudam e as perspectivas também.
    Adorei a sua viagem ao pantanal, pularia a parte dos carrapatos, que essa ninguém merece… mas percebi que apesar de você “se achar fresca” você não é não… do caiaque à pescarias de piranhas já provam que seu instinto natureza ainda perduram!!

    Beijos
    8)

    Reply
  • 02/07/2008 at 23:57
    Permalink

    Luisa

    Depois de ler o post da Carol e agora o seu,de uma coisa eu tenho a certeza…vou ter que provar essa sopa de piranha!!!
    Para dizer a verdade o Pantanal não está na minha lista,mas está na do meu marido!!Talvez um dia consiga superar a aversão a mosquitos,carrapatos e outros bichos parecidos e vá até lá para ter então essa aula de Biologia ao vivo…
    Ah!Também gosto muitos dos bifes do Brasil…hehe

    Bjs
    PS:a ideia de deslizar nas águas de um rio infestado de Jacarés num frágil caiaque também não me agrada muito…

    Reply
  • 03/07/2008 at 12:48
    Permalink

    Oi, Carol

    Eu tambem adoro blogs de viagem para “captar” as diversas experiencias e pontos de vista sobre um mesmo destino. Me ajuda um monte na hora de montar uma viagem e decidir o que combina mais com os meus gostos.

    Vc nao me achou fresca? Bondade sua… Eu acho que o que me salva é a minha curiosidade… Gosto de um conforto, mas sou curiosa demais para permitir que a frescura tome conta! 🙂

    Bjs

    Reply
  • 03/07/2008 at 12:54
    Permalink

    Oi Margarida

    A sopa de piranha é bem boa mesmo! E aquela feita com as piranhas que nòs pescamos tem um gosto ainda melhor!

    Vale a pena a viagem ao Pantanal, tomara que teu marido consiga te convencer! 🙂 Acho que vc vai gostar. Nòs fomos em agosto e quase nao tinha mosquitos, daì é sò escolher os passeios que mais te agradam.

    Nao precisa andar a cavalo nem de caiaque! Dà pra ser feliz com passeios a pè ou de carro e tours de um dia com barcos decentes. 🙂

    Bjs

    Reply
  • 03/07/2008 at 14:06
    Permalink

    Que aventura, Luisa! Gasolina no final, se perdendo no caminho, carrapatos!!! Pelo menos assim as histórias ficam mais interessantes quando você vai contar! 🙂 E a tal da sopa de piranha já tá ficando famosa…

    Reply
  • 04/07/2008 at 14:31
    Permalink

    Adorei, Camila!

    Visto por este angulo, “aventura” é um eufemismo para “programa de indio”! 🙂

    Bjs

    Reply
  • 09/07/2008 at 23:33
    Permalink

    Eu sou doida para ir ao Pantanal, mas tenho arrepio de pensar nessa natureza toda, sabe?! Morro de medo de bicho, principalmente repteis :).
    Na Australia eu sempre ficava pensando nessas coisas… ver a noite estrelada no meio do Outback foi lindo, mas ficava desesperada com os possiveis predadores que poderiam nos atacar eheheh…
    bjs

    Reply
  • 11/07/2008 at 10:46
    Permalink

    Mi,

    Eu nao sou muito chegada em muita natureza junta… Também tenho medo de bicho, mas se o hotel é legal, e se tenho uma boa infra-estrutura, vou na boa!

    Acho que vc vai gostar do Pantanal!

    Bjs

    Reply
  • 11/07/2008 at 23:32
    Permalink

    Olha só…para quem não gosta muito de passeios ‘eco’, até que você está se saindo muito bem, Luiza! 😆
    Adorei o post e vai ficar a dica anotada para quando for para o Pantanal. A possibilidade de ver bichos é muito tentadora…
    Um abraço!

    Reply
  • 22/07/2008 at 10:18
    Permalink

    Oi, Emilia

    Eu gosto de passeios “eco”, o problema é que sou meio fresca pra eles. A minha sorte é que eu sò me lembro dos mosquitos, carrapatos e afins, quando eles atacam. Se eu pensasse nisso antes… sei nao… 🙂

    Bjs

    Reply
  • 09/10/2008 at 23:21
    Permalink

    Mas em que mundo eu vivo que não havia entrado aqui antes!

    Eu já cansei de escrever sobre minha, digamos, indisponibilidade para o “mato”.

    Mas eu ainda vou respirar fundo e ir para um desses destinos. Tô parecendeo criança que diz que não gosta de salada sem nunca ter provado!

    Adorei o post!

    Reply
  • 10/10/2008 at 12:29
    Permalink

    Oi Silvia

    “Mato” também nao é a minha especialidade nao… A minha sorte é que sou mais curiosa que fresca, entao de vez em quando eu arrisco um eco-turismo.

    E dou o maior apoio! Respira fundo e experimenta um programa de indio desses, tenho certeza de que vai ser inesquecivel! 🙂

    Bjs

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *