Parque Nacional Desembarco del Granma

Toda viagem que se preze tem que ter pelo menos um perrengue e um programa de indio para poder contar historia.  Na nossa viagem a Cuba tivemos varios perrengues e varios programas de indio, mas pra mim, o programa de indio vencedor de toda a viagem foi esse bate e volta ao Parque Nacional Desembarco del Granma a partir de Santiago de Cuba.

Tudo começou quando vi num guia um passeio belissimo de carro de Santiago de Cuba a Manzanillo via Cabo Cruz, seguindo pela estrada costeira. Segundo o guia, a estrada costeira è super panoramica e o tour contava com uma visita ao parque, que alem de sua importancia por causa dos terraços marinhos de carste, ainda foi palco do inicio da revoluçao que levou Fidel ao poder.

Conta a historia que Fidel estava exilado no Mexico e em 1956 partiu para Cuba no iate Granma com outros revolucionarios, inclusive Che Guevara. Por causa de um erro de navegaçao, ao inves de desembarcarem em Niquero, acabaram desembarcando na praia Las Coloradas.

O iate foi interceptado pelo exercito de Batista e a maior parte dos revolucionarios foram capturados e assassinados. Fidel Castro e outros 2 guerrilheiros conseguiram fugir para a Sierra Maestra e por isso esse parque virou um tipo de “santuario” para a Revoluçao Cubana.

Pois bem, a culpa do programa de indio nao foi totalmente do guia… O guia sugeria tao somente o trajeto de ida – e nao o bate e volta como nòs fizemos – e o guia tinha sido escrito antes de um furacao ter destruido completamente a estrada costeira.

No hotel em Santiago tinham nos avisado que a estrada nao estava em boas condiçoes, mas como ainda estavamos no inicio da viagem, ainda nao tinhamos entendido que se um cubano diz que a estrada è boa, significa que a estrada è ruim; mas se um cubano diz que a estrada nao è boa, è melhor ficar bem longe dela!

Juro que eu ficava feliz quanto tinha buraco na estrada, pois um pressuposto para a existencia de buracos è a existencia de uma estrada… Passamos por pontes que estavam metade destruidas e a outra metade caindo, literalmente, eu tava tao tensa que nem lembrei de fotografar… Mas uma coisa è certa: a estrada è realmente panoramica! Tinha momentos em que a agua do mar quase entrava no carro… E nao estou exagerando!

Finalmente chegamos no parque. Um guardinha bem solicito cobrou uma taxa para entrarmos e deu algumas orientaçoes sobre o restaurante em Cabo Cruz, lugares para estacionar, informaçoes sobre as trilhas. Para a minha surpresa, tudo muito organizado.

Seguimos direto para o tal restaurante em Cabo Cruz – depois do desespero sempre vem a fome. Comemos dois pratos: um com peixe e outro com lagosta, 3 cervejas, um pudim de sobremesa e dois cafès e a conta foi de 4 dolares!! Na realidade, sò custou 4 dolares pq a garconete arredondou pra mais o valor da conta  quando fez a conversao para pesos cubanos.

Resolvemos começar nossa visita pelo parque propriamente dito, fazendo a trilha mais famosa (e pelo jeito unica) do lugar, o Sendero El Guafe, um passeio bem gostoso e facil de 2km, onde se pode observar milhares de borboletas, passaros de todos os tipos e atè um cactos de 500 anos.

A atraçao principal dessa trilha, na realidade,è o terreno carstico e as varias cavernas formadas por um rio subterraneo e em uma delas tem uma estalagmite onde foi esculpida o Idolo das Aguas pela populaçao prè-colombiana.

Acabamos nos demorando muito na trilha e jà estavamos com o tempo contado, pois ainda tinhamos que voltar pra Santiago de Cuba e o objetivo era nao viajar de noite. Por isso, nao entramos no Museo Las Coloradas, que mostra o percurso seguido por Fidel e Che para chegarem a Sierra Maestra e vimos sò a copia em tamanho natural do iate Granma, que fica do lado de fora. (Como o Granma original està em Havana, nao nos demoramos muito ali tambem.)

Ainda que a estrada de retorno para Santiago nao tenha sido a costeira, mas sim a estrada interna de Manzanillo, nao conseguimos cumprir nosso objetivo e a maior parte da viagem de retorno foi feita depois do por do sol e foi muito, muito tensa…

Se tem uma coisa que nòs aprendemos nessa viagem foi: nunca, jamais, em hipotese alguma dirija de noite em Cuba!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 thoughts on “Parque Nacional Desembarco del Granma

  • 01/04/2011 at 12:23
    Permalink

    Adorei, adorei, adorei este seu artigo.
    Consegui transmitir-me a sensação de descoberta e de perigo eminente durante o percurso de ida até ao parque desejado.

    Realmente, por vezes quando lemos um guia turístico, e há algo que nos seduz, seja pela descrição ou pelas imagens/fotografias que a acompanham, “viramos mundos e fundos” para o ficar a conhecer.

    Óptimo fim-de-semana

    Reply
    • 03/05/2011 at 18:57
      Permalink

      Oi Turista Ocasional
      O problema è que eu muitas vezes nao consigo controlar a minha teimosia e acabo achando que dà pra fazer tudo do jeito que eu imagino, contrariando todas as recomendaçoes de guias… 🙂
      Programas de indio e perrengues fazem parte de qq viagem, nè?
      Bjs

      Reply
  • 12/04/2011 at 22:10
    Permalink

    Olá, gostei muito do seu blog. Eu tenho um, o http://www.toindoparaaitalia.blogspot.com . Estou fazendo uma seleção de posts de outros blogs sobre a Itália e encontrei ótimas postagens no seu. Vou indicar seu blog e as postagens ok?
    Abs

    Reply
    • 04/05/2011 at 12:08
      Permalink

      Oi Marcio
      Obrigada pela visita.
      Vou visitar teu blog!
      Bjs

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *