Turismo de caça

Essa polemica toda sobre o rei da Espanha que foi caçar elefantes na Africa me fez lembrar da minha viagem de lua de mel à Tanzania e de como os meus conceitos sobre o turismo de caça mudaram completamente apòs essa viagem.

Nao tenho a intençao de entrar no merito da caça do rei da Espanha, principalmente no que se refere aos aspectos economicos da atividade, enquanto o pais passa por uma crise enorme e jà deixo avisado que nao sou nem ecologista nem caçadora.

O objetivo do post è simplesmente relatar a minha experiencia num Game Reserve e como essa minha experiencia  fez com que eu passasse de “contraria ao turismo de caça” a “completamente a favor do turismo de caça” (apesar de esse tipo de turismo nao fazer o meu estilo de turistar).

Pois bem, um dos parques nacionais que fomos visitar na Tanzania foi o Selous Game Reserve, considerado Patrimonio da Humanidade pela Unesco por ser  “one of the largest remaining wilderness areas in Africa, with relatively undisturbed ecological and biological processes, including a diverse range of wildlife with significant predator/prey relationships” e ainda “is amongst the largest protected areas in Africa and is relatively undisturbed by human impact”.

Na Tanzania, o Selous è considerado um dos melhores parques para o turismo de caça e a coisa ali è super controlada. Como eu nao era caçadora (quer dizer, sem licenças, sem pagamento de taxas, etc) eu simplesmente era proibida de ingressar na parte do parque destinada a caça e tinha que me contentar com a parte destinada a outros turistas como eu.

Conversando com o meu guia, perguntei o que ele achava do tal turismo de caça, se isso nao era um mal para o meio ambiente e para a economia local (curiosidade baseada nos meus proprios preconceitos sobre o turismo de caça) e a sua resposta me surpreendeu e me colocou pra pensar.

Segundo ele, o turismo de caça faz muito bem ao meio ambiente pois existe um controle muito rigoroso dos limites para a caça seja por parte do parque, seja por parte dos caçadores.

Ninguem ali està interessado em acabar com a brincadeira: o parque nao quer perder a sua “galinha dos ovos de ouro”, pois o turismo de caça custa muuuuito caro e è uma importante fonte de renda para a populaçao local, e os caçadores, por sua vez, querem continuar tendo um lugar bom, com muitos animais para serem caçados.

Alem disso, o turismo de caça  causa muito pouco impacto ambiental por causa da propria natureza desse tipo de turismo: um caçador sabe que os animais sao ariscos; entao, se quiser caçar, deve montar um acampamento discreto, sem uma infraestrutura muito elaborada  e sem muita confusao, simplesmente porque isso espanta a caça.

Ouso dizer que o “turismo ecologico” que eu fiz em Selous è menos ecologico do que o turismo de caça, pois depois de todo o meu “contato com a natureza” o que eu mais queria era o meu quarto no hotel, com chuveiro quente, ar condicionado e longe dos mosquitos.

Enfim, se com o turismo de caça a populaçao local està satisfeita, o parque està preservado e a Unesco o considera patrimonio da humanidade por ser uma das maiores areas selvagens da Africa (sem colocà-lo na lista dos patrimonios em risco ou eliminados, como faz com os lugares que nao respeitam os criterios de preservaçao), quem sou eu para ir contra?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

14 thoughts on “Turismo de caça

  • 17/04/2012 at 12:33
    Permalink

    Compreendi perfeitamente a idea do post e concordo com a plenamente com as questões ambientais e econômicas. Mas, sinceramente, esses argumentos não me convencem. O problema do turismo de caça não é ambientam e, sim, moral: como ser totalmente a favor da matança de um ser vivo unicamente por diversão? Pelo menos essa é a minha opinião!

    Reply
    • 17/04/2012 at 13:40
      Permalink

      Oi Davi
      Concordo contigo, tambem acho que nao seja moral matar por diversao, tanto que jamais praticaria esse esporte. Sò acredito que nao posso impor a minha moral a pessoas que gostam de caçar e nao a consideram imoral. Especialmente depois de descobrir que a caça contribui para a preservaçao da natureza de um modo muito mais eficaz que o chamado “turismo ecologico” e ainda promove o desenvolvimento economico de uma regiao sem causar grandes impactos ambientais.
      Bjs

      Reply
  • 18/04/2012 at 01:50
    Permalink

    Entendi sua argumentação, mas mesmo assim repudio totalmente isto. Tudo bem que os animais são “irracionais”, mas é inacreditável que ainda existam animais ditos “racionais” que sentem prazer de invadir o ambiente dos pobres bichos e saiam atirando sem que estes saibam o porquê ou tenham condições de se defender. E isso por pura e simples diversão!!!
    Acho essa prática inaceitável e ignorante.

    Reply
    • 18/04/2012 at 10:55
      Permalink

      Oi Renato
      Eu tambem entendo (e sinto) esse mesmo repudio. Eu seria incapaz de caçar o que quer que seja pra me divertir. O que me deixou surpresa, me fez pensar e me tornou favoravel à caça è o fato que antes eu achava que a caça alem de “matar por diversao”, ainda destruisse a natureza e fosse um mal para os africanos.
      Visitando Selous eu me dei conta de que a caça nao destroi a natureza, pelo contrario, ajuda a preservar! E os africanos tiram proveitos economicos importantes dela! O fato de euzinha achar a caça imoral, nao me dà o direito de exigir que outras pessoas se comportem segundo os meus criterios de moralidade.
      E em Selous eu me senti uma hipocrita quando percebi que condenava os caçadores que matam por diversao, enquanto eu usufruia de uma estrutura turistica que causa muito mais impacto ambiental no parque, construida com o unico objetivo de divertir os turistas que se hospedam ali. De certa forma, eu tambem “matei por diversao” ainda que indiretamente, usando os serviços do hotel.
      Um exemplo do impacto ambiental do hotel que eu presenciei: os macacos do parque tomavam agua da piscina (com cloro). Quando comentei o fato com um funcionario do hotel, ele me explicou que os macacos fazem isso para nao serem comidos pelos jacarès no rio, mesmo que agora nao tenha mais muito jacarè por ali…
      E nao seria honesta comigo mesma se dissesse que sou “contra a morte” porque eu como carne, pra satisfazer meu paladar e nao simplesmente para aplacar minha fome; uso roupas de couro e de seda, para satisfazer meu senso estetico e nao sò para me proteger do frio; uso venenos contra ratos e baratas porque tenho nojo desses bichos (ou sao sò os bichos fofinhos e bonitinhos que merecem viver?).
      Bjs

      Reply
  • 19/04/2012 at 18:21
    Permalink

    Olá galera do Arquivo de Viagens!

    Sou da Agência Digi e cuido das redes sociais da Rail Europe, empresa líder na distribuição de passes e bilhetes de trens europeus no mundo. Estou entrando em contato para convidar você a participar do nosso concurso cultural para blogueiros.

    Você, blogueiro, se cadastra no aplicativo, http://apps.facebook.com/guia-dos-viajantes/ compartilha suas dicas e concorre à uma viagem de 7 dias pela Europa.

    Seja o primeiro a postar dicas úteis sobre as cidades que você conhece para aumentar suas chances de ganhar. Quantos mais dicas você postar, mais chances você tem de se dar bem. Serão 3 vencedores.

    Irá funcionar da seguinte forma:

    Você escolhe as cidades europeias que conhece e publica o máximo de dicas que conseguir. Como falamos, quanto mais você posta, mais pontos você ganha. Outra maneira de juntar mais pontos é convidar outros amigos BLOGUEIROS para participar. A cada registro de um blogueiro convidado, você ganha + 10 pontos.

    Além disso, nesse desafio você ainda pode conhecer muita gente legal, trocar ideias e descobrir várias dicas para sua próxima viagem ou mesmo para usar em seu blog! 😉

    O desafio já começou!! Não fique fora dessa!!

    Reply
  • 13/05/2012 at 08:11
    Permalink

    Oi, Luisa.

    Não vou ficar repetindo o que já foi escrito. Esse tipo de turismo não é a minha praia, apesar do bem que ele traz às comunidades que vivem dele. Acredito que existem outros meios de preservação, assim como acredito que as áreas de preservação não deveriam ter acesso a visitantes. Nem a caçadores.

    🙂

    Reply
    • 30/05/2012 at 09:30
      Permalink

      Oi Allan
      Nem a minha praia! 🙂 E que maravilhoso seria se as areas de preservaçao fossem realmente areas de preservaçao sem acesso a quem quer que seja…
      O post na realidade nao foi escrito para defender o turismo de caça (talvez nao tenha ficado claro), mas para mostrar que nao è toda essa barbaridade que se ve na midia. Eu estava tao acostumada a falar mal de caçadores e a repetir discursos prontos sobre os coitados dos animais caçados, que nunca tinha parado pra pensar que o que se costuma chamar de “turismo ecologico” pode causar muito mais estragos ao meio ambiente que o turismo de caça. Quando vi isso acontecer na Tanzania, me deu um nò nas ideias e, apesar de continuar achando que turismo de caça nao è o maximo da ètica, jà nao condeno mais quem o pratica.
      Bjs

      Reply
  • 29/06/2012 at 14:28
    Permalink

    Me desculpe a franqueza, mas achei muito descabido seu post. Acho que você poderia ter postado isso como uma curiosidade pros leitores sobre um outro tipo de turismo, mas daí a defender e dizer que passou de “contraria ao turismo de caça” a “completamente a favor do turismo de caça”, foi um pouco longe demais. Como alguém com o mínimo de ética (não moral, e sim ética) pode achar esse tipo de turismo positivo? Causar dor e sofrimento a outros seres por diversão? Não vejo como pode ser divertido, acho, no mínimo, covarde.

    Reply
    • 10/07/2012 at 17:21
      Permalink

      Oi Mariana
      Como eu jà disse, eu me tornei a favor do turismo de caça simplesmente pq pude ver in loco que o meu turismo dito ecologico causava mais danos ao ambiente do que o tal turismo de caça.
      E quanto à etica de quem o pratica, quem sou eu para julgar e condenar, se para garantir o meu conforto e a minha diversao, a construçao do hotel e de toda a infra estrutura que usei causou muito mais estrago? Ou vc acha que sò seres bonitinhos e peludos merecem ser preservados? Que cobra, escorpiao, sapo, mosquitos nao fazem parte do ecossistema?

      Reply
  • 04/07/2012 at 19:35
    Permalink

    Olá! Luiza,
    Sempre apreciei suas histórias e me empolgo quando vejo que ha uma postagem nova, realmente adoro a forma clara e simplificada que expõe um pouco sobre o que vivenciou. (Até mesmo alguns anos atrás elaborei um trabalho da faculdade sobre Veneza, da qual lhe solicitei autorização para utilizar as fotos, claro que com créditos, sempre)
    Aiiiii mas dessa vez ja turismóloga, e sempre motivada por um turismo sustentável e mais humano, não consigo acreditar que por causa de um comentário de um guia tu consigas acreditar que, realmente esta é uma boa prática, seja no viés da sustentabilidade econômica, quanto muito na ecológica.
    Um exemplo disso pode ser encontrado em Ruanda, onde depois de quase serem extintos para virarem souvenirs ou por causa da destruição das floresta, ao darem lugar as plantações, hoje os gorilas salvam a população enquanto atrativo turístico.
    Não sou muito adepta a exposição dos animais ao bel prazer do humano, mas sem sombra de dúvidas, MIL VEZES a exposição do que a CAÇA.
    Bjs

    Reply
    • 10/07/2012 at 17:48
      Permalink

      Oi Eliane
      Vamos por partes:
      1 – Nao foi por causa de um comentario de um guia, o comentario do guia que me fez pensar no assunto, o que me convenceu è que a parte do parque destinada à caça è protegida pela Unesco e a parte reservada para o turismo ecologico nao. Se vc olhar os sites naturais considerados patrimonio da humanidade da Unesco, vai ver que o Arabian Oryx Sanctuary em Oma foi retirado da lista pq o pais nao estava respeitando as regras de proteçao impostas. E que existem varios parques que sao colocados na lista de patrimonio em risco por causa da falta de proteçao e os parques vem sendo destruidos pela agricultura, cidades, etc… E curiosamente o Selous Game Reserve que è um parque protegido e destinado exclusivamente à caça nao està entre os lugares em risco, pelo contrario ” this immense sanctuary, which measures 50,000 km2 and is relatively undisturbed by human impact”.

      2 – O que vc mencionou sobre Ruanda nao tem nada a ver com turismo de caça. Isso è turismo predatorio e tem que ser combatido a todo custo. Eu fui pesquisar um pouco sobre o turismo de caça pq me pareciam informaçoes contraditorias: como pode um lugar destinado à caça ser um lugar que causa menos danos ao ambiente que um lugar destinado ao turismo ecologico? Descobri que o turismo de caça possui regras super rigidas para o caçador e o parque tem um controle muito severo sobre os animais ali presentes. E’ muito dinheiro envolvido e ninguem tem interesse em acabar com a diversao.
      Jà o turismo predatorio, como o nome sugere, sò destroi. E’ o desenvolvimento descontrolado do turismo que pode se manifestar nos vendedores de souvenirs em Ruanda como na construçao por exemplo de mega resorts em areas naturais com a destruiçao de varias especies, crescimento urbano…

      3 – Eu tb nao sou adepta da caça, nao mato nem barata, mas nao me sinto confortavel em julgar e condenar quem pratica o turismo de caça, sabendo que eu mesma faço mais danos ao meio ambiente quando me hospedo num desses hoteis no meio do mato.

      4 – Como foi o trabalho? Parabens pela formatura e sucesso!

      Bjs

      Reply
  • 16/07/2012 at 18:08
    Permalink

    Oi Luiza,
    Tudo bem, você está defendendo o seu ponto de vista, nem taxando nem apoiando.
    Mas continuo relamente achando um absurdo esse tipo de diversão, a custa da vida de animais que não tem como se defender do arsena de fogo utilizado pelo homem, a não ser correr o mais longe possivel….
    Desta forma fico com Da Vinci: “Chegará o dia que os homens conhecerão a alma dos animais, e neste dia, um crime contra um animal será considerado um crime contra a humanindade.”

    Reply
  • 21/07/2012 at 12:31
    Permalink

    Bom dia

    Me chamo Tatiana e faz uma semana te enviei um convite para participar de uma campanha publicitaria. Volto a escrever para saber se nao tem interesse.
    Caso queria saber as informações basta me enviar um email. Espero poder contar contigo, já que seu blog tem o perfil do que busco.

    Abraços,
    Taty

    Reply
    • 23/07/2012 at 10:19
      Permalink

      Oi Tatiana
      Acho que o convite anterior deve ter caido no spam, nao me lembro de ter visto…
      De qq modo, agradeço o convite, mas no momento nao tenho interesse.
      Sucesso!

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *