Vinicolas-puxadinho

Nas cidadezinhas da Bourgogne, a impressao que tive è que quase nao existem moradores, pois praticamente todas as casas sao “Domaine alguma coisa” e quando nòs agendamos as nossas visitas aos produtores nao imaginavamos que a visita fosse feita no quintal da casa deles.

Quando eu penso em “visitar vinicola” o que me vem em mente è sempre uma propriedade rural, meio longe de tudo, uma coisa meio romanceada e nao um “puxadinho” na casa de alguem, sem graça nenhuma.

Pois è… na Bourgogne, a maior parte das degustaçoes que fizemos foram nesses “puxadinhos”,  num esquema muito impessoal, onde eu me sentia meio que invadindo a casa de alguem, tanto que nem tirei fotos.

Sente o nivel: vc toca a campainha de uma casa, vem uma criança te receber no portao, em seguida ela sai correndo gritando pra chamar o pai. Depois de alguns minutos, o pai chega, te leva para o tal puxadinho onde meia duzia de garrafas estao prontas para serem degustadas, vc experimenta os vinhos e diz se quer comprar ou nao. Fim da degustaçao!

E’ uma transaçao comercial: ele quer vender o vinho, vc quer comprar e ponto final. Nenhum glamour.

Eu estava contentissima com a qualidade dos vinhos que degustavamos, mas estava descontente com essas visitas pouco interessantes, entao consegui convencer o marido a fazermos uma visita/degustaçao em um daqueles lugares bem turisticos.

Fomos visitar o Chateau de Pommard… Que lugar bonito!! E eles ainda promovem mostras de arte contemporanea que fazem do chateau um lugar ainda mais interessante! E sò!

Achei a visita guiada mediocre (e olha que ainda nao tinha feito a super visita completa do bed&breakfast). O guia explicou um pouco sobre a historia do chateau, disse meia duzia de obviedades sobre a produçao  do vinho (qq um que jà tenha visitado uma vinicola na vida vai reconhecer o discurso de sempre, nao precisa ser entendido no assunto), e experimentamos 4 vinhos diferentes.

Nada de muito memoravel e, para o meu gosto, o vinho era muito caro pelo que oferecia.  Nao è que o vinho fosse ruim, pelo contrario, era bom, mas nao valia o que custava!!

E falando em custos, as degustaçoes nos “puxadinhos” foram sempre gratuitas, jà visita com degustaçao do Chateau de Pommard custou 19,50 euros por pessoa…

Depois dessa experiencia, achei melhor seguir a risca a nossa listinha e visitar sò os produtores de “puxadinho” mesmo… Nao tem muito charme, mas se bebe muito bem, e a relaçao custo beneficio dos vinhos era otima, tanto que voltamos pra Italia com 4 caixas de vinho no porta malas.

Vale conferir:

3 Comments

Filed under França

3 Responses to Vinicolas-puxadinho

  1. Que saudes me deu da França :) adoro a arquitetura e as paisagens!

    Bjos

  2. Eduardo

    Como você selecionou e, principalmente, como agendou tais vicitas aos “puxadinhos”?
    Parabéns pelo Blog. Excelente.

    • Oi Eduardo,
      Eu fiz um curso sobre vinhos franceses na Associazione Italiana Sommeliers aqui em Milao e a professora francesa que deu o curso foi super disponivel e deu todas as dicas.
      Nesse post eu mencionei quais foram as vinicolas que ela sugeriu e para agendar foi sò procurar o produtor no google e mandar um email para ele.
      O guia Hachette de vinhos franceses tambem ajudou bastante na pesquisa e seleçao das vinicolas que visitamos.
      Bjs

Add Comment Register



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>