Viva la Revolucion

Eu bem que tentei evitar o assunto por causa de possiveis polemicas, mas nao consigo… Eu preciso escrever o que vi e ouvi em Cuba sobre o sistema de governo cubano! E’ impossivel fazer uma viagem para Cuba e ficar indiferente àquilo que faz de Cuba um lugar unico no mundo.

Mas antes de começar, quero deixar claro que nao tenho a intençao de fazer nenhuma critica ou elogio a nada ou a ninguem. A minha intençao è simplesmente contar o que vi e ouvi, com a natural curiosidade de uma turista que se surpreende com uma realidade muito diferente da que està habituada.

Cada vez que penso na viagem que fizemos, tenho a certeza de que alugar um carro foi a melhor parte da viagem. Foi da janela do carro que vi as placas pelas estradas, foram os caroneiros que nos contavam suas historias de vida, era o radio do carro que nos mantinha informados dos acontecimentos em Cuba e no mundo…

E a impressao que eu tive è que os defensores da revoluçao cubana tentam convencer a todos e a todo o custo de que a revoluçao foi a melhor coisa que poderia ter acontecido em Cuba, que se nao fosse a revoluçao estariam todos muito piores e que com a ajuda de todos os cubanos o inimigo jamais vencerà.

Pelas estradas existem centenas de placas com “Viva la Revolucion”, “Viva Fidel” e viva mais um monte de guerrilheiros, considerados herois nacionais e que eu nao conhecia atè entao. Placas grandes, com fotos e que assinalavam as batalhas vencidas por cada um, como um grande livro de historia a ceu aberto recordando a todos que è possivel vencer o inimigo.

Alem dessas, outro tipo muito comum de placa era aquelas com frases de efeito, como aquela famosa de Che Guevara: “Hasta la victoria siempre!” e muitas outras que diziam basicamente que com “trabalho e sacrificio venceremos a batalha!”, “mas unidos y mas combativos” e tantas outras “defendiendo el socialismo”.

De vez em quando aparecia uma ou outra placa mais ousada, com o desenho da bandeira de Cuba que mata uma aguia ou escritas mais contundentes contra os “imperialistas”.

Ouvir o radio no carro era interessantissimo.  Primeiro porque nao existe comercial, eu nao me lembrava mais como è viver num mundo sem propaganda (privada!) no radio e segundo, mesmo sem ter propaganda, quase nao toca musica!

A programaçao era feita basicamente de noticias e programas educativos sobre saude, comportamento e tambem recados e classificados, sempre  acompanhados de um “Viva la revolucion!” a cada tanto. E quando  informavam a hora e a data, o ano nao era 2010 ou 2011, mas era sempre o 52° aniversario do triunfo da revoluçao.

As noticias eram tao descaradamente parciais que eu quase nao acreditava no que estava ouvindo. Em qualquer estaçao de radio, em qualquer noticiario, era sempre a mesma coisa: o que acontecia de bom em Cuba era exaltado como se fosse a maior das conquistas e a noticia era repetida a exaustao, seja a colheita recorde de algum lugar ou o baixo indice de mortalidade infantil na cidadezinha nao sei aonde.

Nao me lembro de ter ouvido nenhuma noticia sobre algo ruim que tenha acontecido em Cuba… E justamente por causa da parcialidade das informaçoes, eu ficava prestando atençao no conteudo das noticias com uma curiosidade, digamos, estatistica.

As noticias ruins que eu ouvi eram sempre relacionadas aos Estados Unidos. Qualquer coisa que fizessem era pintada como o diabo, e seja là o que for deve ser combatido atè a morte!

Apesar da parcialidade descarada, era muito interessante ouvir o ponto de vista de quem defende o Iran e a Coreia do Norte.  Me fez pensar e refletir sobre a parcialidade  menos descarada ou disfarçada das noticias que ouço na Italia ou no Brasil.

O engraçado da programaçao das radios è que tem atè mesa-redonda! Eu nao sei como eles conseguiam montar um debate com pessoas que possuem a mesma opiniao sobre o assunto… Enfim…

A seçao classificados tambem era interessantissima e ouvindo os anuncios me dei conta do alcance da inexistencia de propriedade privada no pais! Ninguem comprava ou alugava casa, mas todo mundo trocava de casa!

Em Havana tinha uma TV no nosso quarto e as propagandas do governo me deixavam de queixo caido. Juro que vi uma propaganda que afirmava que as crianças comunistas sao mais altas que as crianças capitalistas, com direito a grafico de crescimento e tudo!

Saber o que um cubano pensa sobre Fidel e sua politica de governo era a minha maior curiosidade, mas nao tinha coragem de perguntar, pra nao parecer uma ignorante alienada (apesar de ser uma ignorante alienada quando o assunto è governo em Cuba!) que acha que em Cuba sò existe Fidel, como no Brasil sò existe Carnaval e na Italia, a Mafia.

Tive sorte! Nao precisei começar o assunto nenhuma vez! Eram sempre os cubanos que queriam saber o que nòs achavamos de Lula e de Berlusconi, o que me dava a chance de perguntar a eles o que achavam de Fidel.

As respostas me surpreenderam. Quando se referem a politica, notei que eles usam muito aquele vocabulario presente nas radios e nas placas pela estrada: “companheiro”, “nosso chefe e comandante Fidel”, “o triunfo da revoluçao”, “sacrificio e trabalho”…

Mas tambem notei que nao existia entusiasmo pelo estilo de vida que levavam. Os nossos caroneiros se lamentavam que em Cuba sò està bem quem trabalha com turista, pois o salario de um medico è o equivalente a 25 dolares por mes…  Quem trabalha com turistas recebe gorjetas de 1 ou 2 dolares mais de uma vez por dia, fora o salario.

Em uma casa particular, os proprietarios falaram que agora a situaçao està melhorando, que o periodo especial foi de muita miseria, mas que ninguem pode falar mal do governo. Segundo me falaram, o governo dà uma cesta basica mensal a todas as familias e quem è contra o governo corre o risco de ser “esquecido” na hora da entrega dessa cesta basica. Que isso aconteceu com o filho da vizinha da cunhada da prima de nao sei quem…

Mas todos os cubanos se orgulham – e nao è para menos! – que Cuba possui o menor indice de mortalidade infantil e uma das maiores taxas de alfabetizaçao da America Latina. Achei admiravel o valor que os cubanos dao à saude e à educaçao, sao evidentemente a prioridade no pais, e me espantei quando descobri que Cuba fez um acordo com a Venezuela de modo a obter petroleo em troca de medicos! (O acordo è antigo, mas eu jà avisei que sou uma ignorante alienada quando o assunto è governo de Cuba)

Cuba è realmente um pais fascinante e unico, ninguem consegue voltar pra casa indiferente depois de um viagem pra là. E’ um choque de realidade!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

21 thoughts on “Viva la Revolucion

  • 24/02/2011 at 11:04
    Permalink

    Olá Luisa, vim visitar seu blog, pois também adoro viajar e tenho um blog de viagem! Lindo seu blog, cheio de fotos incríveis e lugares que espero um dia conhecer também! Parabéns! Vou ficar te seguindo em suas próximas aventuras. Beijos e tenha um ótimo dia.

    Reply
    • 21/03/2011 at 12:32
      Permalink

      Obrigada, Angela
      Vou visitar seu blog tb!
      Bjs

      Reply
  • 25/02/2011 at 03:22
    Permalink

    É muito curioso vivenciar uma política de governo que até então só conhecemos pela mídia.. Bem ou mal, nossas percepções mudam e nossos valores se aprimoram. Agora, que eu prefiro a democracia, ah isso sim!! (Apesar de a nossa ainda ser imperfeita)

    Reply
  • 27/02/2011 at 16:20
    Permalink

    Chguei através do viaje e não quero parar mais. Vou ler tudo…
    Parabéns!

    Reply
  • 02/03/2011 at 01:40
    Permalink

    Luisa, é até difícil imaginar uma realidade tão diferente. Imagino que você devia ficar boquiaberta, né? Essas experiências devem ter enriquecido muito sua viagem.

    Beijos!

    Reply
    • 21/03/2011 at 12:44
      Permalink

      Oi Camila
      Ir pra Cuba mudou muito o meu modo de ver o mundo. E’ uma viagem fantastica!
      Bjs

      Reply
  • 17/04/2011 at 10:08
    Permalink

    Olá,
    o assunto “alugar carro” em Cuba: como é? Há muito assédio por parte de eventuais fiscalizações? É fácil se organizar desde jeito?
    Agradeço alguma “luz”.
    Thiago

    Reply
    • 04/05/2011 at 12:18
      Permalink

      Oi Thiago
      Nao tem assedio nenhum. Fora o preço (caro), a antecedencia da reserva e as companhias de locaçao desconhecidas (pra mim), o resto foi como alugar um carro em qq outro lugar do mundo.
      Bjs

      Reply
  • 23/04/2011 at 03:08
    Permalink

    Oi, Luísa. Estive em Cuba por duas semanas em janeiro deste ano e circulei de carro entre Havana e Santiago. Também assisti a uma mesa-redonda na tv estatal. Foi como vc disse: todos tinham a mesma opinião… rs rs rs. Parabéns pelo blog.

    Reply
    • 04/05/2011 at 12:32
      Permalink

      Essas mesas redondas chegam a ser engraçadas, nao è mesmo?
      Bjs

      Reply
  • 30/05/2011 at 04:04
    Permalink

    Viva la revolucion??

    “A Revolução Francesa prometeu salvar a França pela destruição do Antigo Regime: trouxe-a de queda em queda até à condição de potência de segunda classe. A Revolução Mexicana prometeu salvar o México pela destruição da Igreja Católica: transformou-o num fornecedor de drogas para o mundo e de miseráveis para a assistência social americana. A Revolução Russa prometeu salvar a Rússia pela destruição do capitalismo: transformou-a num cemitério. A Revolução Chinesa prometeu salvar a China pela destruição da cultura burguesa: transformou-a num matadouro. A Revolução Cubana prometeu salvar Cuba pela destruição dos usurpadores imperialistas: transformou-a numa prisão de mendigos. Os positivistas brasileiros prometeram salvar o Brasil mediante a destruição da monarquia: acabaram com a única democracia que havia no continente e jogaram o país numa sucessão de golpes e ditaduras que só acabou em 1988 para dar lugar a uma ditadura modernizada com outro nome.”

    Reply
    • 30/05/2011 at 20:45
      Permalink

      Vai dizer isso pra eles, Gunnar, que repetem “vivla la revolucion” continuamente no radio, na tv e nas placas pelas estradas…

      Reply
  • 24/11/2011 at 23:55
    Permalink

    Luisa,

    adorei a parte que fala sobre a estatura das crianças. Viva a criatividade dos governantes. .

    Reply
  • 10/02/2012 at 16:43
    Permalink

    Olá Luisa,

    estou indo pra Cuba agora no Carnaval e acabei encontrando seu blog. Estou bastante animada e acredito ter essa mesma sensação que vc: a de chegar num lugar que parou no tempo! Mas hoje, depois de estudar bastante a história de lá, acabou completamente meu romantismo sobre a revolução. É um povo que ficou privado de muita coisa, a liberdade. Acho que é um preço muito alto! Vamos ver o que vou pensar depois que eu voltar!
    Parabéns pelo blog! Amei!
    Bjssssssss……

    Reply
    • 14/02/2012 at 10:25
      Permalink

      Oi Andrea
      Como tudo na vida, existem os lados positivos e negativos…
      Depois volta aqui pra contar o que achou!
      Bjs

      Reply
  • 30/06/2012 at 18:49
    Permalink

    Olá ! Estivemos em Cuba em 1997. Fizemos algo parecido apenas que acompanhado de um taxista ! Visitamos a região do “tabaco”, escolas (com seus bancos e janelas de madeira), a casa do nosso motorista (tomando café e comendo salame), o mercado público, almoçamos e jantamos em “paladares” onde fizemos amigos (médica e oficial militar) ! Enfim um pacote na parte obrigatória e roteiro por conta !!! Ainda vou voltar e fazer
    o que não foi possível na época. Mas uma coisa penso que não muda: o sentimento de revolução/liberdade ao contrário dos seguidores de Fulgêncio evidente que contrasta exatamente com o sentimento de consumo ! Mas saúde (estive em dois hospitais) educação e esporte, ah isso ninguém tira dos Cubanos. Aliás maravilhosos, alegres, cordatos e muito interessados no Brasil. Dessa vez irei até Cayo Largo, Cinfuegos e Santiago !

    Reply
    • 10/07/2012 at 17:22
      Permalink

      Oi Gilvan
      Cuba è mesmo unica e acho que nao mudou muito desde a tua visita 😉
      Bjs

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *