Würzburger Residenz

 Eu estava ansiosíssima para conhecer a Residenz, pois em todas as informações que li, vem sempre definida como “um dos palácios mais lindos e importantes da Alemanha”. Ainda que eu tivesse plena consciência de que essa definição fosse nada mais que um exagero de sites que querem vender seu peixe, o fato de que a Residenz esteja localizada em Würzburg, um dos destinos da rota romântica (que um dia ainda hei de fazer!), me inspirava e, intimamente, me fazia acreditar na tal definição.

Chegamos cedo, uns 15 minutos antes da abertura do Palácio às 10h, e com isso conseguimos visitar a igreja,, porque sua entrada se dava de modo independente, diretamente pela praça, sem precisar entrar no Palácio.

A igreja é linda, ricamente decorada e com obras de Tiepolo, um famoso pintor italiano, nas partes laterais do altar. Alguém havia mencionado também que essa igreja era famosa pelas ilusões de ótica espaciais, mas eu não dei conta de percebê-las… (De repente aquilo que era ilusão de ótica, eu achava que era real… vai saber…)

wurzburg2.jpg

Depois de uns minutos, começam a chegar as pessoas para a missa e nós, ainda com mais expectativas por causa da beleza da igreja, fomos conhecer a Residenz.

Os 1o minutos que ficamos na igreja foram tempo suficiente pra já formar fila na entrada da Residenz.Compramos os nossos ingressos e fomos felizes para o passeio…

A Residenz é um palácio barroco que infelizmente foi muito danificada durante a Segunda Guerra Mundial, sobrando muito pouco do prédio original e restando alguns móveis e quadros que foram retirados do local antes da destruição. Mas os restauradores fizeram um excelente trabalho de reconstrução e hoje é possível admirar o símbolo da riqueza e do prestígio dos bispos de Würzburg, como se nada tivesse acontecido.

wurzburg3.jpg

Logo depois da entrada, nos deparamos com uma das principais atrações da Residenz: a escadaria e o afresco gigante de Tiepolo, que milagrosamente sobreviveu à guerra e que representa os 4 continentes.

Esse afresco é considerado um dos maiores do mundo e fica no teto exatamente sobre a escada. O afresco é lindo, mas tenho certeza de que quem teve a idéia de colocá-lo no teto, sobre uma escada, estava querendo provocar um acidente. É impossível não tropeçar nos degraus enquanto se admira a obra!

Logo após as escadas, entra-se na Sala Branca, assim chamada por ser toda branca e decorada em “stucco” (um tipo de “massa corrida”, eu acho…), com figuras de dragões mimetizados na decoração, e que também sobreviveu à destruição.

Após a Galeria Branca, vem a primeira decepção. A Sala Imperial, um dos cartões postais do lugar, estava inteira coberta para restauração, não dava pra ver nem um cantinho da sala, tinha só uma televisão mostrando um programa (em alemão, é claro) sobre a Residenz e as restaurações.

Mas, tudo bem, ainda tinha a Sala dos Espelhos, que, segundo o guia, é a mais “memorável” de todas! Andamos por todas as salas, uma mais maravilhosa do que a outra, mas nenhuma que se assemelhasse a uma Sala dos Espelhos… Pra não ter dúvidas, fomos até a lojinha de souvenirs procurar fotos da tal sala em cartões postais e, realmente, não tínhamos visto nada parecido. “Não é possível! Onde estará essa sala? Vamos perguntar!”

Eis então que o moço da lojinha nos informa que só é possível ver a Sala dos Espelhos com uma visita guiada!

Aquilo não podia ser verdade! Mas já que estávamos ali, fomos ver como funcionava a tal visita guiada… No caminho, passamos por diversas delas e fiquei prestando atenção: grupos de umas 30- 40 pessoas e guias que falavam alemão.

Eu não queria acreditar que teria que fazer todo o tour de novo, acompanhada de mais 30 pessoas e sem entender nada das explicações do guia, só pra poder ver uma única Sala.

Ainda bem que aquilo era “quase” verdade! Quando a minha mãe diz que eu tenho mais sorte do que juízo, ela tem razão! Existem na Residenz apenas 2 tours em inglês por dia, um pela manhã e outro à tarde, o tour da manhã começaria em exatos 5 minutos, contava só com mais 4 pessoas além de nós e, o que me deixou radiante, era um tour mais “compacto”, quer dizer, compreendia a Sala dos Espelhos que eu tanto queria ver, a Sala Imperial que estava em restauração e algumas explicações sobre a escadaria! Não podia ser melhor!!

A Sala dos Espelhos vale a visita guiada! É a sala mais rica de toda a Residenz, com espelhos decorados de cima a baixo e tudo muito dourado além de um enorme lustre de vidro de Murano que pesa mais de uma tonelada. Apesar de eu, particularmente, ter achado a Sala dos Espelhos de um gosto meio duvidoso, ela é realmente a mais impressionante e memorável de toda a Residenz!

Uma curiosidade sobre a pintura de Tiepolo contada pelo guia: boa parte das pessoas representadas na pintura existiram de verdade, como, por exemplo, o arquiteto da Residenz e até o próprio Tiepolo.

wurzburg1.jpg

Como não podia tirar fotos dentro do palácio, só tenho fotos dos jardins, que são uma atração a parte e na primavera devem ficar espetaculares!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 thoughts on “Würzburger Residenz

  • 16/11/2007 at 19:23
    Permalink

    Quando você falou em Residenz, eu achei que fosse a de Munique…
    Mas essa outra, também parece fantástica!
    Linda!

    Reply
  • 19/11/2007 at 12:02
    Permalink

    Ainda não conheço Munique… Recomendas?
    Bjs

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *