Zanzibar

A primeira vista, Zanzibar me chocou: uma mistura de ruas estreitas e escuras, cheiro forte de temperos e comidas e muita sujeira por tudo. Foi inevitavel, a primeira coisa que me veio em mente foi: “Que horror! O que è que eu vim fazer aqui?”. E nesse momento achei otima a nossa decisao de passar apenas um dia na cidade.

Assim, jà que estavamos ali mesmo e somente por um dia, achamos por bem contratar um guia para aproveitarmos melhor o nosso tempo. Foi a melhor coisa que poderiamos ter feito, pois sozinha e em tao pouco tempo disponivel, acredito que nao conseguiria mudar a minha pessima primeira impressao e nao veria Zanzibar como se deve. Sem um guia, tenho certeza de que eu precisaria de pelo menos uns 2 dias para me ambientar antes de dar o devido valor aos os encantos da cidade.

Por causa do nosso escasso tempo, nos limitamos a visitar a parte mais famosa e antiga de Zanzibar: a Stone Town. Começamos com o mercado, que hj vende de frutas e verduras a especiarias, carnes e peixes, mas, segundo o guia, antigamente  ali funcionava um mercado de escravos.

(O cheiro daquele mercado estava me virando o estomago, ainda bem que o guia sò apontou onde ficava a parte de carne e a parte de peixes e achou melhor continuar a visita em outro lugar. )

Foi com as explicaçoes do guia sobre o funcionamento do mercado de escravos na època dos sultoes e no meio daquela mistura de cheiros, que, sem me dar conta, eu me peguei fascinada com tudo aquilo. Nesse mercado comecei a perceber que Zanzibar è uma daquelas cidades que vao se revelando aos poucos. 

A minha ojeriza foi se transformando devagarinho em fascinio. Eu jà nao via mais a sujeira das ruas; meus olhos sò enxergavam os detalhes da arquitetura tao misturada de estilos, os desenhos nas portas ricamente entalhadas, e vendo todas aquelas pessoas, a minha mente nao parava de imaginar como era a vida de escravos e sultoes que passaram por ali.

Zanzibar è assim, vc tropeça em historia de escravos, sultoes e princesas rebeldes no melhor estilo 1001 noites. Tambem pudera! A historia de Zanzibar conta com uma dominaçao portuguesa que durou uns 2 seculos, em seguida a cidade foi tomada pelo sultanato de Oman por mais uns 2 seculos, quando teve seu auge no comercio com a venda de escravos, ouro e marfim.

Com a independencia de Oman, Zanzibar continuou a ser governada por sultoes, mas sob um “protetorado britanico”  atè 1963, quando uma revoluçao acabou com os sultoes e uniu Zanzibar a Tanganika formando a atual Tanzania. E hoje, mesmo fazendo parte da Tanzania, Zanzibar elege seu proprio presidente e possui uma assembleia legislativa.

O interessante de Zanzibar è que toda essa historia ainda esta muito presente nas suas ruas, casas e monumentos. O Forte Antigo da cidade, por exemplo, foi construido em 1700 pelos omani onde existia uma capela portuguesa, justamente para se defenderem dos portugueses.  Hj o forte abriga um teatro a ceu aberto e quando estivemos lá vimos muita musica, dança e barraquinhas de comida jà se preparando para algum evento à noite.

Em seguida fomos visitar o Beit El Sahel, a residencia oficial do sultao atè 1964 e que atualmente è um museu dedicado à historia do Sultanato, com os moveis e objetos pessoais pertencentes ao sultao, as diversas decoraçoes e as diferenças de gosto das esposas do sultao e um espaço dedicado à Princesa Salomè, quase um mito na cidade.

Uma das filhas do sultao, essa princesa se apaixonou por um soldado alemao e, por causa do escandalo na familia, teve que fugir para Alemanha para nao ser morta. Salomè ficou famosa pq em 1888 publica a sua autobiografia contando como era a sua infancia de princesa em Zanzibar (Memoirs of an Arabian Princess). É um livro obrigatorio para quem vai a Zanzibar e para quem tem interesse em saber como era a vida cotidiana num palacio de sultoes.

Mas o lugar que mais se destaca na arquitetura de Zanzibar é o Beit El-Ajaib.. É uma das maiores construçoes da cidade, feita em 1883, com uma torre e um relogio que podem ser vistos de longe. Era o palacio de cerimonias do sultao e, por ser o primeiro em todo o leste africano a contar com eletricidade e elevador, foi logo apelidado de “Casa das Maravilhas”

Por dentro, essa Casa das Maravilhas conta com as portas entalhadas mais bonitas que vi em Zanzibar e exibe uma mostra sobre a cultura Swahili, sobre a cultura dos “dhow” (um barco tipico) no Oceano Indico, e tinha tb uma mostra temporaria paga a parte que nao fui ver.

Depois de passear por palacios e ouvir belas historias de sultoes, o nosso guia mudou de assunto e começou a nos contar sobre a triste e revoltante historia do comercio de escravos em Zanzibar.

Por volta do seculo XIX, Zanzibar superou Kilwa Kisiwani no comercio de escravos e aproximadamente 600 mil escravos foram vendidos, inclusive para o Brasil, entre 1830 e 1873, quando um tratado britanico pos fim, teoricamente, na escravidao e construiu uma igreja anglicana onde era o antigo mercado.

Desse antigo mercado, a unica coisa que sobrou foram uns cubiculos subterraneos, pouco iluminados e pouco ventilados, ao lado da atual igreja, que eram usados para o “armazenamento” dos escravos antes da venda. Segundo o guia, apos o tratado de aboliçao da escravatura, o comercio ilegal de escravos ainda continuou por muitos anos em Zanzibar.

E no final do dia eu estava com o coraçao apertado de ver e ouvir o que o homem è capaz de fazer com seus iguais  e tb por ter reservado tao pouco tempo para visitar um lugar tao fascinante.

Espero voltar logo para poder passear por Zanzibar com mais calma… Quem sabe nao voltamos para comemorar algum aniversario de casamento?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

18 thoughts on “Zanzibar

  • 12/01/2010 at 16:49
    Permalink

    Oi Luisa!
    Quanta história né? Muito legal que conseguiram mudar a visão sobre a cidade, que com certeza reserva muitas belezas em sua arquitetura!
    A história, apesar de não ser muito bonita, é sempre bom saber né? Imagino o quanto deve ter sido pesado ouvir as histórias de escravidão, que é algo bem revoltante!
    Eu gostaria de ir até os campos de concentração na Europa, mas acho que seria revoltante demais…
    Bjuu
    Pri

    Reply
    • 13/01/2010 at 16:36
      Permalink

      Oi Priscila,
      Tem mesmo determinados lugares onde sao necessarios nervos de aço para “aguentar” a historia do lugar.
      Eu fui a Auschwitz e foi muito impressionante, mas recomendo muito a visita. È uma “porrada na ideia”, como dizia um ex professor meu.
      Bjs

      Reply
  • 18/01/2010 at 01:58
    Permalink

    Luisa, e essas histórias estão tão ligadas à nossa, não é? É muito triste pensar no que o homem era capaz de fazer há tão pouco tempo…

    Reply
    • 19/01/2010 at 12:47
      Permalink

      É bem chocante mesmo, Camila.
      Dà um ruim no estomago, um aperto no coraçao…
      Bjs

      Reply
  • 18/01/2010 at 17:08
    Permalink

    MInha viagem a Tanzania esta planejada pra inicio de Setembro, e Zanzibar foi o destino escolhido pra fechar a viagem… como se fosse uma pequena “ferias das ferias”. Mas no nosso caso, ficaremos mais dias, nas prias do norte da ilha – Stone Town talvez seja apenas um day tour ou algo de genero…
    Estou me deliciando com seus posts da Tanzania!

    Reply
    • 19/01/2010 at 12:57
      Permalink

      Oi Dri,
      È o que a maioria das pessoas faz : praias maravilhosas com um tour basico por Zanzibar.
      Se vc for passar sò um dia mesmo em Stone Town, pega um guia. Achei que fez toda a diferença.
      Caso vc se interesse por um guia, eu recomendo vivamente o Sr. Juma da Gallery Tours (www.gallerytours.net).
      Lembro que nao foi muito economico, mas alem de ser um excelente guia, ele è muito popular com as crianças locais. Elas nos seguiam por toda parte e cantavam uma musiquinha pro nosso guia, que respondia no mesmo ritmo com uma voz engraçada. Foi òtimo!
      Bjs

      Reply
  • 21/01/2010 at 16:45
    Permalink

    Luisa! Adoro os seus destinos NADA tradicionais!
    Lembro de ter visto Zanzibar num programa do Lonely Planet e fiquei com a imagem de uma Africa praiana na cabeça! Tb as portas que eram orgulho do lugar!
    bjus

    Reply
    • 22/01/2010 at 13:23
      Permalink

      Oi Guta,
      Sabe que esses destinos “nada tradicionais”, sao nada tradicionais para quem mora no Brasil e tem outras prioridades quando viaja…
      Os italianos, como jà estao na Europa e em um final de semana podem escapar para os destinos mais “comuns”, quando sobra um tempo maior eles viajam pra cada lugar estranho!
      Esses dias o marido estava me propondo uma viagem para Baku!!! Vc sabe onde fica? Nem eu! 🙂
      Bjs

      Reply
  • 26/01/2010 at 16:55
    Permalink

    Gostei de tudo que lí aqui sobre a Tanzânia. Acho que é uma viagem que poderá sair em 2011 (2010 já estou com o calendário fechado para 14 países!), conciliando com Kenya tb. Mas na Tanzânia o que mais me interessou foram os parques, kilimanjaro e as praias que ví em fotos de Zanzibar.

    Só não sabia que era um destino tão caro! Se bobear é 3x mais que ir para qualquer lugar da Ásia…

    Bjos e parabéns pela ótima coletânea da selva africana!

    Reply
    • 27/01/2010 at 17:13
      Permalink

      Oi Fe,
      O problema da Tanzania sao os preços altissimos, e esse foi um dos motivos pelos quais escolhemos essa viagem para a nossa lua-de-mel (a outra opçao seria o Japao).
      Vai se organizando e economizando que essa viagem sai em 2011. Se eu puder ajudar com mais alguma coisa, é só pedir!
      Bjs

      Reply
  • 09/03/2010 at 22:14
    Permalink

    Luisa, tudo bem?
    Vi seus relatos sobre El Calafate e queria te perguntar: em que época vc foi pra lá? Estou pensando em ir em Junho (final de Junho pra comemorar meu niver) mas tenho medo que o frio não me deixe aproveitar tudo…o que vc acha? Muito ruim? Devo deixar pra outra época?

    Muito obrigada! Um beijo,
    Carol

    Reply
    • 10/03/2010 at 14:37
      Permalink

      Oi Carol
      Fui para Patagonia no ano novo, pleno verao!
      Eu acho fim de junho meio tarde para visitar El Calafate e acredito que vc nao vá mesmo conseguir aproveitar tudo…
      No inverno faz muito frio e alguns passeios sao cancelados por causa do tempo…
      Bjs

      Reply
  • 06/07/2010 at 11:53
    Permalink

    Zanzibar é um dos paraisos na terra. Nao seis e c visitou mas as praias da Ilha sao maravilhosas…Eu fui uma vez e estou voltando em setembro.
    Depois de Zanzibar e alguns lugares no Brasil, o mar mais lindo do mundo fica na Ilhad e Mozambique.
    dias felizes

    Reply
    • 08/07/2010 at 10:08
      Permalink

      Obrigada, Grace, pela visita e plo comentario.
      Nao cheguei a visitar as praias de Zanzibar… nao sou muito chegada em praias, pra falar a verdade.
      Bjs

      Reply
  • 23/01/2011 at 16:53
    Permalink

    Adoreeei o post!!!
    Tanzania tá super na minhas lista de lugares que quero muuuito visitar!!

    Abraços,
    Mari

    Reply
  • 12/10/2014 at 22:31
    Permalink

    Ola Grace, estou planejando ir a Zanzibar ano que vem e gostaria de saber se vc visitou O restaurante The Rock? Vou ficar em um resort e acredito que não seja dificil conseguir guia ou transporte para o local?

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *